Rádio Observador

Santander

Santander compra Banco Popular por um euro

939

O Santander comprou o Banco Popular por um euro depois do ultimato de Bruxelas e para evitar a queda do banco. Um negócio que garante ao banco de Ana Botín a liderança na banca.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autores
  • Helena Cristina Coelho
  • João Cândido da Silva

O Santander comprou o Banco Popular, por um euro, depois do ultimato de Bruxelas e para travar a desvalorização bolsista do banco que já dura há sete dias. A transferência foi comunicada pelo Mecanismo Único de Regulação e transforma assim o grupo Santander num líder absoluto do mercado financeiro espanhol. A rede do Popular em Portugal, que conta com cerca de mil trabalhadores, também passa a estar sob a alçada do Santander, que reforça a presença no mercado português.

O banco espanhol será assim integrado no grupo Santander, não estando prevista para já qualquer alteração na atividade ou operações, pelo menos enquanto os termos da integração não estiverem totalmente fechados. A negociação das ações em bolsa foi entretanto suspensa. Em Portugal, o banco liderado por António Vieira Monteiro conta com pouco mais de 6.200 trabalhadores e, de acordo com as estimativas avançadas pelo próprio Santander, passa a deter uma quota de mercado de cerca de 17%.

O grupo Santander, em comunicado enviado ao início da manhã desta quarta-feira, confirma a operação após a qual, adiantam, se tornam “no maior banco em Espanha e o Banco Santander Totta no maior banco privado em Portugal em ativos e no apoio às empresas e às famílias portuguesas”, informaram. A transferência envolve mais de 21 milhões de clientes nos dois países, confirma a instituição financeira.

O Banco de Portugal também já reagiu à medida de resolução aplicada ao banco espanhol. “A filial portuguesa do Banco Popular Español – o Banco Popular Portugal, S.A. – não foi objeto de qualquer medida de resolução e está incluída no perímetro de venda, pelo que passa a integrar o grupo do Banco Santander”, esclarece, em comunicado, a entidade de supervisão liderada por Carlos Costa.

Para o Banco Popular Portugal, esta medida não implica qualquer alteração na atividade do banco português, que continua a operar com total normalidade, agora integrado num novo grupo bancário. Esta solução não contempla financiamento por parte de organismos nacionais e protege as poupanças confiadas ao Banco Popular Portugal, assegura a continuidade dos serviços prestados em Portugal e do financiamento à economia”, adiantam. “A solução preserva, por isso, a estabilidade do Banco Popular Portugal e contribui para a salvaguarda da estabilidade do sistema financeiro português.”

Para executar este negócio, o Santander irá aprovar um aumento de capital de sete mil milhões de euros, que garantirão o capital e as provisões necessários para que o Banco Popular possa manter a sua atividade regular.

Intervenção de Bruxelas para evitar queda

A comissão criada para gerir a reestruturação do Popular executou assim a decisão de venda tomada pelo Mecanismo Único de Regulação – uma decisão inédita, dado que é a primeira vez que Bruxelas faz uma intervenção desta natureza no sistema financeiro.

Isto depois de o próprio Banco Central Europeu (BCE) ter declarado a inviabilidade do Popular nas atuais condições, com a instituição a enfrentar os problemas decorrentes de uma carteira de crédito com 37 mil milhões de euros em ativos “tóxicos” gerados por empréstimos ao setor imobiliário. A operação vai concretizar-se sem comprometer recursos públicos nem afetar qualquer depósito ou investimento de clientes. Em contrapartida, o Banco Santander compromete-se a adotar as medidas que sejam necessárias para garantir a continuidade das operações do Popular, bem como a garantir a liquidez que viabilize a sua atividade.

Os últimos termos do acordo foram negociados durante a última noite e, de acordo com a informação confirmada já na manhã desta quarta-feira, só ficaram fechados de madrugada. A integração do Popular no Santander é imediata. O banco liderado por Ana Botín passa assim a controlar 100% do banco que enfrentava complicações financeiras há já algum tempo. Foi o próprio BCE que desencadeou o processo de venda, depois de declarar a inviabilidade do banco e de determinar a necessidade de intervenção para salvar uma instituição financeira com algum peso no sistema financeiro ibérico.

Fortes necessidades de liquidez na origem da resolução

A forte escassez de liquidez do Banco Popular foi o fator determinante para a resolução que fez a instituição transitar para a órbita do Santander, explicou Elke Koenig, líder do Conselho Único de Resolução. Em declarações efetuadas nesta quarta-feira, Koenig revelou não haver outra saída para garantir o interesse público e evitar a liquidação do Popular no âmbito de um processo de insolvência.

Devido ao grave problema de liquidez, que ameaçava a capacidade do Banco Popular para cumprir compromissos correntes na sua operação, havia escasso tempo para encontrar uma solução, adiantou Elke Koenig e a venda ao Santander foi concretizada num prazo “desafiador e apertado”. A proposta da instituição liderada por Ana Botín foi a “melhor” para garantir os objetivos de assegurar a estabilidade financeira e que as agências do Popular poderiam abrir, nesta quarta-feira, e atuar dentro da normalidade. A rede da instituição alvo de resolução está, hoje, a operar sem alterações em Espanha e em Portugal.

Em 2016, o Banco Popular registou resultados negativos de 3,58 mil milhões de euros. Este prejuízo foi justificado com a constituição de provisões, durante o exercício em causa, num valor próximo de 5,7 mil milhões de euros, destinadas a assegurar a cobertura de perdas na carteira de crédito.

(notícia atualizada às 12h10 com as declarações de Elke Koenig e a retificação do número de colaboradores nos dois bancos em Portugal)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)