O El País decidiu parar de publicar “anúncios de relax”, os “classificados” que publicitam serviços associados à prostituição. Este tipo de publicidade já não é visto no jornal espanhol desde o passado dia 15 de julho.

A decisão surgiu depois de um profundo debate interno, que foi alimentado pelas opiniões dos leitores, que tinham vindo a demonstrar o seu desagrado para com esta publicidade.

O El País escreve que a prostituição não é ilegal em Espanha e que, além disso, é o país europeu com maior procura destes serviços. Mas lembra um outro lado neste negócio: em apenas cinco anos, entre 2012 e 2016, foram resgatadas, aproximadamente, 4.300 vítimas de exploração sexual.

Segundo o jornal, vários estudos apontam que a maioria das mulheres que aparecem nestes anúncios vivem escravizadas de alguma forma.