O Presidente do Governo de Espanha, Mariano Rajoy, disse esta sexta-feira que está disposto a rever o código penal para fazer frente ao terrorismo, uma semana depois dos atentados de Barcelona. “Se é necessário mudar o código penal para combater o jiadismo, fá-lo-emos”, afirmou. “É evidente que os terroristas modificam os seus comportamentos e que nós devemos fazer o que é necessário”, disse mais à frente.

Mariano Rajoy afirmou ainda que as forças de segurança “devem encontrar os melhores instrumentos legais” para combater o terrorismo e, para isso, apelou a uma união política para lá da bancada parlamentar do Partido Popular, que dirige. “Na luta contra o terrorismo, temos que pôr de lado as nossas diferenças, torna-nos maiores e mais fortes perante os assassinos. A unidade política é fundamental. Deve oferecer resultados sob a forma de reformas que dotem os nossos juízes, polícias e procuradores com as melhores ferramentas para lutar contra esta chaga”, disse.

Rajoy comentou ainda os rumores que se formaram em torno da colaboração, ou falta dela, entre o Governo central e o governo regional da Catalunha, liderado por Carles Puigdemont, que à revelia de Madrid se prepara para referendar a independência daquela região a 1 de outubro. Segundo Mariano Rajoy, houve uma “coordenação fluida e constante” entre as duas entidades.

“Desde o minuto zero, o Governo de Espanha e o da Generalitat concordaram em constituir um gabinete de crise, que recebe informação em tempo real. Houve sempre membros da Guardia Civil e da Polícia Nacional”, disse, referindo que estes atuaram em coordenação com as forças de segurança catalãs, os Mossos d’Esquadra. “Quero destacar o caráter de lealdade e de cooperação entre os diferentes órgãos implicados na investigação.”