Alemanha

Merkel convida sociais-democratas a formarem governo estável pela Alemanha e pela UE

A chanceler alemã, Angela Merkel, convidou oficialmente os sociais-democratas a dialogar para formar um "governo estável" que aborde os desafios do país e responda às "grandes expectativas" da UE.

FELIPE TRUEBA/EPA

A chanceler alemã, Angela Merkel, convidou oficialmente os sociais-democratas a dialogar para formar um “governo estável” que aborde os desafios do país e responda às “grandes expectativas” da União Europeia.

Em conferência de imprensa na sede da União Democrata-Cristã, esta segunda-feira, após uma reunião do executivo federal do partido, Merkel reiterou que a sua formação permanece disposta a assumir a sua responsabilidade, após o fracasso da tentativa para formar Governo com liberais e verdes.

“Para nós é importante garantir a estabilidade no país e permanecer a âncora dessa estabilidade”, justificou a chanceler.

Na sua perspetiva, a estabilidade não é apenas necessária para resolver os problemas dos cidadãos alemães, mas ainda para enfrentar os desafios da União, onde o presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, e o Presidente francês, Emmanuelle Macron, emitiram propostas que aguardam a resposta de Berlim.

Numa referência às divergências entre o seu partido e os sociais-democratas sobre o futuro da zona euro, Merkel recordou que sempre foi possível encontrar soluções, apesar de existirem diferentes perspetivas.

“Perante os conflitos no Médio Oriente, a situação com a Rússia e a situação nos Estados Unidos, considero positivo que a Alemanha seja operativa”, insistiu.

Merkel precisou que, no diálogo com o Partido Social-Democrata, os conservadores vão apresentar o seu programa de governo, à semelhança dos seus interlocutores, e recordou que o êxito das negociações implica a aceitação de compromissos.

No seu primeiro encontro, CDU e SPD terão como mediador o Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, que convocou a chanceler, o líder do partido conservador bávaro CSU, aliado da CDU, Horts Seehoffer, e o líder social-democrata Martin Schulz, para uma reunião na quinta-feira.

Na sequência da decisão dos liberais de romper as negociações para uma coligação tripartida, face às reticências dos sociais-democratas em reeditar a grande coligação com os conservadores, e em resposta a um jornalista — que sugeriu poder ser a chanceler o problema para a formação de um novo executivo –, Merkel assegurou que está a refletir sobre todos os cenários.

Ironicamente, disse que os “fundadores” da Constituição alemã do pós-Segunda Guerra Mundial seguramente nunca imaginaram que haveria tantos partidos que não quisessem governar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)