Rádio Observador

Incêndios 2016

Fogos. Comissária europeia nas zonas ardidas: “Vim dizer ao povo português que não estão sozinhos”

Corina Cretu, a comissária Europeia da Política Regional, esteve em Portugal a visitar as zonas de catástrofe afetadas pelos fogos. Prejuízos podem chegar aos mil milhões de euros.

PAULO NOVAIS/LUSA

“Estamos a ver se conseguimos algum apoio”, responde Luís Capoulas Santos — ministro da Agricultura — a uma mulher que vê passar a comitiva da Comissária Europeia da Política Regional. Em Castanheira de Pera, depois de passar por Pedrógão Grande e antes de ir a Figueiró dos Vinhos, a romena Corina Cretu quis ver de perto o grau de destruição deixado pelos incêndios do verão. Foi recebida por um extenso cenário negro. De acordo com o Governo, os prejuízos dos incêndios deste ano podem chegar aos 1.000 milhões de euros. Mas só dentro de dois meses haverá dinheiro do Fundo de Solidariedade Europeu, porque o executivo ainda está a fazer o levantamento completo dos danos.

Markus Bosch espera junto a uma edifício térreo em construção. Esperou quase uma hora pelo autocarro que transportava Corina Cretu, o ministro Capoulas Santos, e os secretários de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, e das Florestas e Desenvolvimento Rural, Miguel João de Freitas. A reunião em Coimbra, antes da visita a Pedrógão Grande, prolongou-se para lá do que se esperava mas o empresário ia insistindo na sua mensagem: “Eu só quero agradecer toda a solidariedade.”

Bosch chegou há 28 anos a Portugal. Veio da Suíça com a mulher – ainda namorada no ano de 1989 – e acabou por instalar-se na zona centro do país onde abriu a sua empresa. Compra casas, restaura-as e vende-as, sobretudo a clientes estrangeiros, como ele próprio. “Os portugueses querem todos ir para a Suíça, vão à procura de uma vida melhor”, reconhece. Ele fez o caminho contrário. “Sentia-me numa gaiola dourada, porque a Suíça é um país muito organizado, mas as pessoas vivem infelizes”, diz. Markus veio à procura de “qualidade de vida”.

Aquilo que viu à sua volta, na noite de 17 de junho, foi o inferno. Estava em casa com o filho mais novo, Flinn, 18 anos, e a mulher, Edith, de 54. O filho mais velho, Noah, 22 anos, estava na sua casa, uns metros ao lado. “Olhámos pela porta da frente e vimos o fogo chegar e logo a seguir as chamas já estavam nas nossas costas”, diz Flinn, junto ao pai. Molharam toalhas, enrolaram-nas na cabeça e, durante três horas, fizeram o que podiam para salvar a casa. Conseguiram. Mas não salvaram a empresa.

O edifício em construção com vista para milhares de hectares queimados é a nova carpintaria. Os primeiros 150 mil euros de Bruxelas permitiram começar a erguer as primeiras pedras. Foram exemplos como o de Markus Bosch que a comissária veio ver – e destacar – a Portugal. São histórias como a daquela família que o Governo quer mostrar à Comissão Europeia, numa ação de sensibilização dos responsáveis europeus quando ainda está por definir o montante global de ajudas comunitárias ainda está por definir.

Capoulas Santos explicou que o objetivo passou por “demonstrar ao vivo quais são os problemas” e por julgar “necessário o apoio da União Europeia”. Cretu diria logo a seguir que a Comissão quer dar um sinal de presença. “Precisamos de mostrar a nossa solidariedade”, sublinhou. Falta que o Governo envie a Bruxelas o levantamento completo dos prejuízos provocados pelos incêndios.

Avaliação dos danos em Bruxelas “antes do Natal”

O último grande incêndio deflagrou a 15 de outubro, nas zonas centro e norte do país. Os estragos provocados no dia com o maior número de incêndios do ano fizeram subir a escala das ajudas comunitárias para uma escala superior, com prejuízos potenciais acima dos mil milhões de euros. Esse patamar faz a diferença no momento de calcular os apoios a conceder a Portugal e, por isso, o Governo português e a Comissão Europeia decidiram fazer um pedido de ajuda global que considere o universo de danos provocados durante os meses quentes.

“Com os prejuízos de outubro, pensamos atingir e ultrapassar o limitar” para que os incêndios possam ser classificados como major disaster ou uma catástrofe de grandes dimensões, disse o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão. Ou seja, os incêndios deixam de ser considerados um problema regional e passam a ser encarados como um caso nacional. Do ponto de vista dos apoios europeus, isso significa que o valor acima dos 500 milhões pode receber até 6% de ajudas comunitárias. Abaixo desse patamar, continuam a ser concedidos apoios a uma taxa de 2,5% do total dos prejuízos provocados.

Além da empresa de Markus Bosch, a comissária europeia ainda visitou as obras da casa de Serafim Rosa Bernardo, em Sarzedas de São Pedro, Castanheira de Pêra. Não viu o o homem, internado desde o fim de semana depois de se ter sentido mal, mas viu o que está a ser feito para recuperar a casa onde Serafim Bernardo vive com a mulher, a filha, o genro e um neto.

O programa ainda contemplava a visita ao Eco Turismo de Campelos, e Figueiró dos Vinhos. Visitas rápidas por locais de “tragédia e tristeza”, de não mais de dez minutos, mas que permitiram à governante europeia perceber o impacto dos fogos do primeiro grande incêndio deste ano. “Vim dizer ao povo português que não estão sozinhos”, insistia, antes de revelar que o próprio presidente Juncker entrou em campo para acelerar a revisão dos mecanismos de apoio europeus a países atingidos por desastres naturais, reduzindo os patamares mínimos de destruição exigidos para que meios como o Fundo de Solidariedade Europeu possam ser acionados.

A título de adiantamento, Portugal recebeu ainda em agosto 1,5 milhões de euros do Fundo de Solidariedade. Há ainda 50 milhões de euros de fundos estruturais que podem ser aproveitados para a reconstrução das povoações atingidas e um bolo de 433 milhões de euros de que o pais dispõe até 2020. Esse dinheiro foi pensado para aplicar em medidas de combate às alterações climáticas e prevenção de incêndios. Mas, segundo Cretu, pode ser utilizado nos trabalhos de reconstrução.

Capoulas Santos prevê que, até ao Natal, o Governo tenha concluído o levantamento de todos os danos provocados pelos incêndios de junho, agosto e outubro. A Comissão Europeia espera que o resultado desse trabalho seja apresentado em Bruxelas “na próxima semana”.

Com base nessa informação, a Comissão terá fazer ao Conselho e ao Parlamento Europeu a sua proposta de apoios a conceder. Precisará de cerca de duas semanas para concretizar essa proposta. Caberá aos eurodeputados votar a proposta, mas deverão passar mais dois meses até que isso seja possível. O que significa que só no final de fevereiro, no cenário mais otimista, haverá resposta de Bruxelas ao pedido de apoio português. Mas, para isso, é preciso que o Governo cumpra o calendário previsto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)