Rádio Observador

Oi

Isabel dos Santos transferiu 230 milhões de euros horas antes de conta ser congelada

1.925

Brasileira Oi conseguiu ordem judicial de tribunal das Ilhas Virgens para que os bens da Vidatel fossem congelados. Mas, nove horas antes, a empresária transferiu dinheiro para as suas contas.

TIAGO PETINGA/LUSA

Isabel dos Santos, empresária e filha do ex-presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, terá transferido cerca de 230 milhões de euros de contas da Vidatel — que Isabel dos Santos usa para controlar 25% da angolana Unitel — para contas suas. A operação, que aconteceu a 9 de outubro de 2015, permitiu escapar à aplicação, poucas horas mais tarde, de uma ordem judicial de congelamento dos bens da empresa, escreve o Público.

Em causa está uma disputa nos tribunais pelo pagamento de dividendos da Unitel à brasileira Oi. A operadora reclama os valores que um juiz das Ilhas Virgens britânicas mandou congelar — a ordem tinha âmbito de aplicação à escala mundial sobre todos os bens da empresa –, mas foi aplicada já depois de Isabel dos Santos ordenar a transferência dos cerca de 230 milhões de euros para outras contas que tutelava. Ao Público, a Unitel refere: “nenhuma transação financeira ilegítima ou ilegal foi realizada pela Unitel ou por Isabel dos Santos”.

O Supremo Tribunal das Caraíbas Orientais reconheceu isso mesmo. Por um lado, por a ordem de transferência ter sido dada cerca de uma semana antes de o juiz Barry Leon ter tomado uma decisão sobre o pedido da Oi e, por outro, porque a concretização dessa transferência aconteceu algumas horas antes de a decisão ser aplicada.

Mas o magistrado critica a forma como a empresa criou obstáculos ao desenrolar do processo. O “tribunal deu um grande desconto” à Vidatel, mesmo quando a operadora “andou a arrastar os pés” na resposta aos pedidos de esclarecimento do juiz. “Podia ter-se poupado muito tempo e dinheiro se a senhora dos Santos, em nome da demandada, tivesse explicado o que aconteceu de uma forma clara e completa, de uma vez”, refere a decisão consultada pelo Público.

A Unitel já reagiu à notícia do Público. Em comunicado, a operadora “refuta todas as alegações feitas com referência à Unitel e a Isabel dos Santos, as quais são completamente falsas”. Reconhecendo que o “procedimento judicial a que se refere a notícia corresponde a uma providência cautelar interposta pela PT Ventures contra a Vidatel e refere-se, sobretudo, ao não repatriamento de dividendos da PT Ventures que foram deliberados pela Unitel”, a operadora justifica a falha de pagamento com a crise económica.

O pagamento dos dividendos no exterior, por razões macroeconómicas de Angola, nomeadamente falta de divisas, não foi possível até a data, pois é necessária a sua conversão em USD ou Euros, para devida exportação”, explicam no mesmo comunicado.

A operadora de telecomunicações angolana reforça ainda que “nenhuma transação financeira ilegítima ou ilegal foi realizada pela Unitel ou por Isabel dos Santos. As afirmações feitas em alguns órgãos de comunicação social sobre transações com a Tokeyna (que é uma empresa controlada pela Unitel e não por Isabel dos Santos) e a Unitel International Holdings não têm base factual e nenhuma perda foi ou será incorrida pela Unitel em relação a essas transações”. Além disso, adianta o mesmo comunicado, “não existe nenhum caso em tribunal que envolva Isabel dos Santos. Trata-se de um caso entre empresas accionistas da Unitel”.

[artigo atualizado com comunicado da Unitel em reação à notícia]

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)