O Conselho de Segurança da ONU vai debater na segunda-feira o agravamento da situação humanitária na Síria após o lançamento, no sábado, de uma ofensiva turca contra uma milícia curda na região síria de Afrine, indicaram diplomatas.

Estava já prevista uma reunião para discutir o relatório do responsável da ONU encarregado dos Assuntos Humanitários, Mark Lowcock, sobre a sua recente visita à Síria.

Mas, a pedido da França, o encontro à porta fechada incidirá igualmente sobre a escalada militar que representa, na Síria, a ofensiva turca contra as Unidades de Proteção do Povo (YPG), e também sobre os bombardeamentos do regime sírio, nomeadamente em Idleb (noroeste) e na Guta Oriental, perto de Damasco.

A reunião começará pelas 11:30 locais (16:30 em Lisboa), segundo os diplomatas.

“A França está muito preocupada com a situação na Síria e com a degradação brutal da situação”, declarou hoje o chefe da diplomacia francesa, Jean-Yves Le Drian.

A ministra das Forças Armadas francesa, Florence Parly, instou a Turquia a cessar as suas operações contra as YPG, que são aliadas do Ocidente na luta contra os ‘jihadistas’ do grupo Estado Islâmico (EI).

A Rússia, aliada do regime do Presidente Bashar al-Assad, anunciou no sábado que os seus militares deslocados na zona de Afrine abandonaram as suas posições para não serem alvo de “eventuais provocações” ou ameaças.

O departamento de Estado norte-americano apelou hoje à Turquia para “dar provas de contenção” e poupar os civis na Síria, ao passo que o secretário da Defesa, Jim Mattis, sublinhou o facto de os Estados Unidos considerarem “legítimas as preocupações de segurança da Turquia”.