Défice Público

Técnicos do Parlamento estimam défice de 1% em 2017, sem recapitalização da Caixa

O défice do ano passado terá ficado em 1% do PIB. Estimativa é da Unidade Técnica de Apoio Orçamental do Parlamento, mas não conta com recapitalização da Caixa Geral de Depósitos.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O défice do Estado deverá ter ficado em 1% do Produto Interno Bruto (PIB), abaixo da meta do Governo e do número já divulgado pelo primeiro-ministro António Costa. A estimativa é da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) para o défice público em contabilidade nacional, que é o critério que vale para a Comissão Europeia. A previsão de 1% é o valor central de um intervalo ente 0,8% e 1,2% do Produto e não inclui o impacto que a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, no valor de 3,9 mil milhões de euros, venha a ter no défice das contas nacionais.

Na análise à execução orçamental em contabilidade pública para o mês de janeiro, os técnicos do Parlamento analisam também o saldo das contas públicas de todo o ano de 2017, e concluem que, “de acordo cm a informação disponível, a estimativa realizada aponta para que o valor central do défice tenha ascendido a 1% do PIB em 2017”. Em janeiro, o primeiro-ministro revelou que o défice do ano passado ficou nos 1,2%, um valor abaixo da meta do Governo e em fevereiro a própria UTAO admitia que o saldo negativo do Estado, sem medidas extraordinárias teria sido de 1,3%.

As estimativas agora avançadas são mais otimistas. A. UTAO adianta que o valor central estimado para o défice em contas nacionais está abaixo do défice em contabilidade pública, com uma redução de 0,4 pontos percentuais devido a vários ajustamentos. Entre os quais os relacionados com as receitas de impostos e contribuições sociais, e que passam por reafetar a cobrança à data em que aconteceu o facto gerador da mesma. Os técnicos destacam ainda o ajustamento que resulta de retirar ao défice as contribuições do Orçamento do Estado para cobrir as necessidades dos fundos de pensões que foram transferidos para a Caixa Geral de Aposentações.

A confirmar-se esta previsão, o défice do ano passado ficou 0,6 pontos percentuais abaixo do objetivo global que foi fixado para o défice das administrações públicas e que era de 1,6% do PIB. Esta meta foi reduzido para 1,4% do produto quando foi elaborada a proposta de orçamento para este ano. Mesmo excluindo medidas extraordinárias (one-off), como a venda dos aviões F-16 à Roménia e a recuperação parcial da garantia do Banco Privado Português (BPP) — 70 milhões de euros em 450 milhões de euros — o défice deverá ficar nos 1%, por causa dos efeitos negativos do agravamento do saldo provocado pelo aumento de capital nos SCTP para pagar os contratos swap ao Santander Totta.

A UTAO diz que o défice estimado ficará 1 pontos percentuais abaixo do registado em 2016, apesar do agravamento verificado no último trimestre do ano, devido à “materialização de um conjunto de pressões que se antecipavam”, onde destaca o facto de não existir PERES (programa especial de redução do endividamento ao Estado) em 2017, a eliminação gradual da sobretaxa de IRS e a atualização das pensões.

Excluindo as medidas excepcionais, a redução do défice orçamental conseguida no ano passado deverá ter sido ainda mais, cerca de 1,4 pontos percentuais do PIB.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Défice Público

Desta vez foi diferente? /premium

Helena Garrido
106

Ouvimos vários governos durante as últimas mais de duas décadas prometerem-nos que agora sim, as contas públicas estão controladas. Será desta vez diferente?

União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)