Estados Unidos da América

EUA. Atiradora era “youtuber” que se queixava de discriminação dos seus vídeos

308

Mulher que na noite desta terça-feira feriu quatro pessoas a tiro antes de se suicidar na sede do YouTube, nos Estados Unidos, foi identificada como Nasim Aghdam, 39 anos, de acordo com o próprio pai.

Nasim Aghdam era ela própria uma "youtuber", mas recentemente tinha acusado o Youtube de discrimar os seus vídeos

A mulher que na noite de terça-feira feriu quatro pessoas a tiro antes de se suicidar na sede do YouTube, nos Estados Unidos, foi identificada como Nasim Aghdam, 39 anos, de acordo com o pai da própria atiradora, citado pela estação televisiva norte-americana NBC News.

Nasim Aghdam residia em San Diego, na Califórnia, e era ela própria uma “youtuber”, mas recentemente tinha feito duras críticas à rede social de partilha de vídeos, acusando o serviço de vídeo de discriminar os seus próprios vídeos — quase todos de ativismo a favor dos direitos dos animais e do veganismo.

“O YouTube filtrou os meus canais para os impedir de ter visualizações”, escrevera Aghdam na sua página da Internet, citada pela NBC. “Não há liberdade de expressão no mundo real e vais ser suprimido por dizer a verdade que não é apoiada pelo sistema. Os vídeos de utilizadores identificados são filtrdos e relegados, para que as pessoas mal possam vê-los”, considerava também.

[Veja no vídeo porque Nasim acusou o Youtube de manipulação]

O pai de Nasim Aghdam confirmou que a “youtuber” se sentia traída pela rede social, que utilizava há anos, e admitiu que sabia que a filha tinha ido à sede do Youtube na terça-feira, apesar de não saber que tinha estado envolvida naquele incidente.

Na manhã de terça-feira, a mulher tinha sido encontrada a dormir dentro de um carro num parque de estacionamento em San Bruno, Califórnia — o local onde fica a sede do Youtube. A polícia não identificou nenhum sinal suspeito. “Em nenhum momento no nosso contacto com a mulher, ela indicou ser uma ameaça para si própria ou para outros”, disse um porta-voz da polícia.

Nasim Aghdam era já uma conhecida ativista pelos direitos dos animais e pelo veganismo, mas só no ano passado começou a sua campanha contra o Youtube. Na sua página de Facebook, a fotografia de perfil mostra-a com um cartaz em que descreve a “ditadura do Youtube”. A “política escondida” da rede social, considerava a ativista, passava por “promover a estupidez”, pela “discriminação” e pela “supressão da verdade”.

Nasim Aghdam tinha quatro canais no Youtube: um em inglês, um em turco, um em persa e um de artesanato. No seu site, acusa a rede social de ditadura e de não proporcionar igualdade de oportunidades aos utilizadores.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)