Tiroteio

Atiradora na sede do Youtube fez quatro feridos antes de se suicidar

Uma mulher disparou vários tiros na sede do Youtube e, segundo as autoridades, fez quatro feridos antes de se suicidar. Atiradora já foi identificada: Nasim Aghdam, "youtuber", de 39 anos.

Uma mulher baleou várias pessoas na sede do Youtube, na Califórnia (Estados Unidos), antes de pôr fim à própria vida. O edifício do Youtube chegou a ser evacuado antes da situação ser controlada. A mulher, que feriu quatro pessoas, foi já identificada como sendo Nasim Aghdam, 39 anos, de acordo com o pai da própria.

Nasim Aghdam residia em San Diego, na Califórnia, e era “youtuber”, mas recentemente tinha feito duras críticas à rede social de partilha de vídeos, acusando o serviço de discriminar os seus vídeos.

O chefe da polícia de San Bruno, Ed Barberini, confirmou que a atiradora fez pelo menos quatro feridos antes de se suicidar. “O tiroteio causou quatro feridos que foram transportados para o hospital com ferimentos causados pelos disparos e foi encontrada morta uma mulher no interior do edifício que acreditamos ser a atiradora”, disse Ed Barberini, chefe da polícia de San Bruno.

Brent Andrews, do San Francisco General Hospital, revelou as idades e o estado de três das vítimas que foram enviadas para a instalação: uma mulher de 32 anos em estado grave; um homem de 36 anos em estado crítico e uma mulher de 27 anos que não tem ferimentos. O responsável referiu que já não estão a aguardar a chegada de mais pacientes, não tendo sido divulgado, até ao momento, para onde foi transportado o quarto ferido pelas organizações de socorro.

Uma testemunha ouvida pela CNN contou que uma mulher com uma bala na perna entrou num restaurante de fast food junto à sede da empresa e que os funcionários e clientes no local tentaram estancar o sangue com guardanapos.

O presidente dos EUA, Donald Trump, já reagiu no Twitter, dizendo que os seus “pensamentos e orações” estão com todos os envolvidos. O presidente agradeceu ainda aos polícias e equipas de socorro que acorreram ao local.

Um dos relatos nas redes sociais é de Tood Sherman, que trabalha no Youtube, que tweetou quando ainda estava na empresa. Num dos primeiros tweets, Todd conta que estava numa reunião quando ouviu pessoas a correr. O chão tremeu e, por isso, num primeiro momento o trabalhador pensou que se tratava de um terramoto.

Todd Sherman contou que, enquanto saía do edifício, viu gotas de sangue nas escadas. Depois de tentar perceber, em conjunto com os outros trabalhadores, se havia perigo, todos decidiram descer as escadas, dirigiran-se à entrada e sairam para a rua. O trabalhador confessa ainda que via cada pessoa com quem se cruzava como um “potencial atirador”.

Pouco depois, o trabalhador do Youtube contava que já está num uber, em segurança, a caminho de casa.

As autoridades encaminharam os trabalhadores para zonas seguras e fizeram revistas de segurança antes de perceberem quem era o autor dos disparos.

A Google — proprietária do Youtube –começou por anunciar que estava em contacto com as autoridades sobre a “situação no Youtube”. Num dos últimos tweets aconselha os funcionários e todas as pessoas com reuniões agendadas nas instalações do Youtube para não se deslocarem ao local.

O dirigente autárquico de San Bruno, Connie Jackson, afirmou que foram recebidas várias chamadas no número de emergência a reportar tiros disparados, informando que já estavam no local agentes da polícia e bombeiros.

Imagens de televisão mostraram pessoas a sair do edifício em fila, com os braços no ar para serem inspecionados pela polícia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)