“Durante cinco anos vi um rapaz fingir-se de pobre, tão pobre como aqueles que defendia. Vi um rapaz que só vestia camisolas Quechua que era, afinal de contas, um milionário.” A afirmação de Sofia Vala Rocha, vereadora em regime de substituição do PSD na Câmara Municipal de Lisboa (CML), fez com que a marca de roupa Quechua se tornasse num dos “trending topics” da rede social Twitter, esta quinta-feira.

A afirmação surgiu na sequência de uma discussão no Twitter sobre o caso Ricardo Robles, ex-vereador do Bloco de Esquerda da CML, que se viu envolvido numa intensa polémica depois de, no passado dia 27 de julho, se ter descoberto que tentou ganhar milhões de euros com a venda de um apartamento em Alfama.

Do “despejo imediato” à demissão, nove perguntas e respostas que explicam o caso Robles

Esta não foi, porém, a única referência de Sofia Vala Rocha à marca apostada em acessórios e roupa para a prática de desportos de montanha. Horas depois do primeiro comentário, a vereadora do PSD comparou a Quechua à Comporta, referindo-se à “tradição portuguesa salazarenta de brincar aos pobrezinhos”. A referência à polémica citação de Cristina Espírito Santo — “É como brincar aos pobrezinhos”  — é óbvia.

Os comentários de Sofia Vala Rocha valeram à marca bastante destaque no Twitter. Alguns utilizadores mostraram-se desagradados com as comparações. Outros satirizarem a situação.

https://twitter.com/brunofutre/status/1024828408663035904

https://twitter.com/diogomgcruz/status/1024924343887949824

https://twitter.com/andlopes92/status/1024799094596886528

No Twitter, Ricardo Robles ainda se apresenta como “Vereador da Câmara Municipal de Lisboa eleito pelo Bloco de Esquerda”. Manuel Grilo foi, entretanto, apontado pelo BE como o seu substituto na Câmara de Lisboa.