Mercedes-Benz

Project One com mais de 1.000 cv está quase pronto

Um dos mais ambicionados superdesportivos do momento, o AMG Project One, está a poucos meses de chegar ao mercado. Apanhado a testar em pista, o modelo com mais 1.000 cv e motor de F1 parece pronto.

O Mercedes AMG Project One promete abanar (violentamente) o mercado dos superdesportivos. Sem envergar os emblemas tradicionais desta classe de veículos, da Ferrari ou da Lamborghini, o Project One tem merecido grande atenção da parte dos potenciais compradores. E o apelo provém não só do facto de estar equipado com um motor de F1, um V6 com 1,6 litros capaz de atingir 11.000 rpm e soprado por turbocompressor, mas também por a produção estar limitada a apenas 275 exemplares.

Concebido e produzido na sede da equipa de F1 Mercedes-Petronas em Brackley, Inglaterra, o Project One surge agora muito perto da versão final de produção em (pequena) série. Tendo previsto começar a ser entregue aos clientes em 2019, entre os quais figura um português que pagou cerca de 3 milhões pela única unidade destinada ao nosso mercado, a Mercedes divulgou agora imagens do seu superdesportivo a rodar nas pistas de ensaios de Millbrook, em Bedfordshire.

Segundo Tobias Moers, o responsável pela AMG, o Project One irá tentar, muito provavelmente antes de começar a ser entregue a clientes, “bater o recorde da melhor volta em Nürburgring, para veículos de produção em série e homologados para circular em estrada”. Moers está obviamente confiante no potencial do chassi, mas igualmente na mecânica. Não que seja a mais possante do mercado, mas porque fornece uma relação peso/potência que a Mercedes prevê difícil de igualar. Para começar monta o pequeno e ligeiro motor 1.6 V6 sobrealimentado, similar ao que equipa os F1 da Mercedes, mas numa versão menos “puxada”, pois em vez que atingir 13.500 rpm, está limitado a “apenas” 11.000 rpm, ainda assim uma brutalidade só possível para um motor de competição. É claro que esta sofisticação tem um preço, que neste caso se traduz na necessidade de refazer por completo o motor – o que terá necessariamente custos assustadores – a cada 50.000 km, o que decididamente eleva os custos de utilização do possante brinquedo.

Ao 1.6 V6 Turbo, que deverá fornecer um pouco mais de 680 cv, passando a sua potência às rodas traseiras, o Project One alia dois motores de 163 cv cada, montados em cada uma das rodas da frente, para assegurar não só a tracção às quatro rodas como a possibilidade de percorrer 25 km em modo exclusivamente eléctrico, alimentados que estão por uma pequena bateria de iões de lítio com 100 kg, o que deve corresponder a uma capacidade em torno de 15 kWh, se for barata, ou 20 kWh se for mais sofisticada e dispendiosa.

Mas os dois motores eléctricos montados à frente servem, sobretudo, para elevar a potência total para um valor acima de 1.000 cv. Existem mais dois motores eléctricos a bordo do Project One, mas nenhum contribui directamente para movimentar o veículo. Um garante que o turbocompressor não tem qualquer atraso na resposta ao acelerador, pois coloca a turbina em movimento instantaneamente, enquanto o outro gera electricidade a partir dos gases de escape, para manter a bateria carregada, tal como acontece nos F1.

A Mercedes anuncia menos de 6 segundos de 0-200 km/h, um bom valor, tanto mais que o mais potente (mas também mais pesado) Bugatti Chiron anuncia 6,5 segundos (já agora, o eléctrico Rimac C_Two atinge esta mesma fasquia em 5,6). Contudo, a velocidade máxima não supera 350 km/h, valor arrepiante, mas não para 1.000 cv ou para um veículo desta estirpe (o Chiron está limitado a 420 km/h por causa dos pneus, mas em breve vai poder atingir 463 km/h com os novos pneumáticos da Michelin). Isto deu força ao argumento de Adrian Newey, o projectista dos F1 da Red Bull e o “pai” do Aston Martin Valkyrie, o grande adversário do Project One, que afirma que “há desportivos que anunciam muita potência, mas por pouco tempo, só enquanto tiverem bateria”, numa referência que todos interpretaram ser uma indirecta à Mercedes. O Valkyrie vai ter assistência eléctrica, mas muito mais potência no motor térmico – um imponente 6.5 V12 atmosférico –, que Newey acredita ser uma melhor opção para um carro de estrada, mesmo se superdesportivo.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)