Recep Tayyip Erdogan

Erdogan promete revelar hoje “toda a verdade” sobre o assassínio do jornalista saudita

Num discurso proferido numa cerimónia pública, Recep Tayyip Erdogan disse pretender "que se faça justiça" e que "toda a verdade será revelada", "a verdade nua".

DUMITRU DORU/EPA

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, revela esta terça-feira “toda a verdade” sobre o assassínio do jornalista saudita Jamal Khashoggi. A Arábia Saudita acabou por admitir no sábado que o jornalista Jamal Khashoggi, crítico do poder em Riade e colaborador do jornal The Washington Post, foi morto nas instalações do consulado saudita em Istambul.

No domingo, num discurso proferido numa cerimónia pública, Erdogan disse pretender “que se faça justiça” e que “toda a verdade será revelada”, “a verdade nua”. Na segunda-feira, o porta-voz da Presidência turca, Ibrahim Kalin, disse numa conferência de imprensa que “nada ficará por dizer” no esclarecimento sobre a morte de Khashoggi. “Desde o início, a linha do nosso Presidente é transparente: nada ficará por dizer. No plano judicial, iremos até ao fundo deste caso. Revelar todas questões relacionadas com este caso é o nosso objetivo final”, precisou Ibrahim Kalin.

A imprensa turca publicou segunda-feira novas informações que implicam o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, na morte do jornalista. Jamal Khashoggi, 60 anos, entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia, no dia 2 de outubro, para obter um documento para casar com uma cidadã turca e nunca mais foi visto. Jornalista saudita residente nos Estados Unidos desde 2017, Khashoggi era apontado como uma das vozes mais críticas da monarquia saudita.

A Arábia Saudita reconheceu que o jornalista foi morto no seu consulado em Istambul durante uma luta, referindo que 18 sauditas estão detidos como suspeitos, anunciou a agência oficial de notícias SPA. A agência estatal de notícias saudita SPA revelou também que um conselheiro próximo do príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, foi demitido, juntamente com três líderes dos serviços de inteligência do reino e oficiais. As informações reveladas não identificam os 18 sauditas detidos pelas autoridades.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)