Arábia Saudita

A ordem para matar Khashoggi: “Tragam-me a cabeça desse cão”

679

Aliado do príncipe herdeiro terá falado por Skype com homens suspeitos da morte de Khashoggi e com o próprio jornalista assassinado no consulado saudita de Istambul. Foi assim que deu a ordem.

AFP/Getty Images

A ordem terá chegado por Skype: “Tragam-me a cabeça desse cão”, terá dito Saud al-Qahtani, um elemento destacado do núcleo mais próximo do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, a um dos homens que mantinham o jornalista Jamal Khashoggi detido no consulado saudita em Istambul, Turquia, a 2 de outubro. De imediato, o grupo de 15 homens suspeitos pela morte cumpriu a ordem, segundo uma fonte árabe com relações aos serviços de informações e à família real saudita, citada pela Reuters.

Os últimos segundos de vida de Khashoggi terão sido passados numa troca de insultos entre o jornalista e o aliado do príncipe Salman. Um dos 15 homens alegadamente enviados por Riade para uma missão relâmpago na Turquia segurava um telefone com o ecrã de frente para Khashoggi. Do outro lado, numa conversação via Skype, estaria Qahtani.

Não era a primeira vez que Qahtani procurava Khashoggi e que ambos mantinham uma conversa tensa. Foi, aliás, um telefonema do aliado do príncipe saudita que levou o jornalista a perceber que estava na hora de tomar uma decisão. “Foi um telefonema muito educado em que ele me disse que tinha instruções para me proibir de continuar a escrever a minha coluna de opinião”, contou Khashoggi ao Observador em dezembro do ano passado. Foi, como o Observador assinalou na altura, o princípio do fim para aquele que era, à data, diretor do canal de televisão Al Arab.

Os dois voltaram a comunicar no dia 2 de outubro, num tom ainda mais duro. Depois da troca mútua de insultos, terá sido dada a ordem para que os 15 suspeitos sauditas matassem o jornalista emigrado nos EUA, de acordo com uma fonte turca ligada aos serviços de informações, também citada pela mesma agência de informação. E foi então que se seguiu aquilo a que a mesma fonte se refere como uma “operação atabalhoada e informal”, não sendo claro se, durante os sete em que o corpo de Khashoggi foi desmembrado e as várias partes dividas por diferentes malas, Qahtani se manteve ao telefone para assistir a todo o processo.

O jornalista tinha entrado no consulado saudita na capital turca por volta da uma da tarde de dia 2 de outubro. Lá dentro já estavam à sua espera os 15 homens, entre os quais havia elementos destacados dos serviços de segurança e de informações com ligações diretas à coroa saudita. Tinham aterrado em Istambul duas horas antes.

Qahtani seguiu os desenvolvimentos à distância, mas acabou por tornar-se no principal bode expiatório de Riade a partir do momento em que, no último sábado, o rei enviou sinais públicos de que o conselheiro do seu filho e outros oficiais tinham sido afastados do núcleo mais próximo de Mohammed bin Salman. Foi a forma encontrada pela Arábia Saudita para aliviar a pressão internacional sobre o país, mas pode não ter passado de uma nova encenação.

À Reuters, fontes da coroa saudita admitiam que Qahtani poderia ter sido detido no cumprimento de um decreto real. Mas a conta do ex-conselheiro do príncipe herdeiro, onde Qhatani soma mais de um milhão de seguidores, continuou tão ativa como antes, o que levou gerou descrédito relativamente à tese de que se mantinha detido pelas autoridades sauditas.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)