França

Governo francês confirma suspensão do aumento de impostos durante seis meses

668

O primeiro-ministro francês anunciou ao país que o aumento dos impostos sobre os combustíveis, que está na origem dos tumultos no país, será suspenso durante seis meses. "Agora é tempo de diálogo".

O primeiro-ministro francês Edouard Philippe e o presidente Emmanuel Macron passaram as últimas horas em reuniões no Eliseu por causa dos protestos

AFP/Getty Images

O primeiro-ministro Edouard Philippe anunciou ao final da manhã desta terça-feira, dia 4, três novas medidas fiscais, entre as quais a suspensão do aumento da carga fiscal sobre os combustíveis — que entrava em vigor em janeiro do próximo ano — durante o período de seis meses. Durante esse período, será também debatida a melhor solução para os franceses, confirmou o primeiro-ministro francês. “Agora é tempo de diálogo”, pediu numa curta intervenção em direto na televisão.

A decisão terá sido tomada nas últimas horas no palácio do Eliseu e após várias reuniões de negociação com o objetivo de apaziguar os protestos dos “coletes amarelos” e de travar os tumultos que se têm registado em vários pontos do país, especialmente em Paris, onde se concentraram os confrontos mais violentos.

O adiamento ou “suspensão” vai durar seis meses, numa decisão que envolveu outro tipo de medidas para compensar a anulação, ainda que provisória, do aumento fiscal, como por exemplo a suspensão do aumento de impostos sobre a eletricidade e o gás e a suspensão da convergência entre os combustíveis e a suspensão da convergência entre os combustíveis para profissionais e para particulares. Será também promovido um debate sobre os impostos e a despesa pública, entre 15 de janeiro e 1 de março.

[Estas medidas] devem permitir que entremos num diálogo real sobre todas as preocupações, para refletirmos juntos o ritmo da transição ecológica enquanto mantemos a ambição. Devemos acompanhar os franceses nesta transição”, referiu Edouard Philippe.

O primeiro-ministro francês afirmou ainda que “manter os impostos e segurá-los é uma necessidade para governar a França”, mas que “nenhum imposto merece comprometer a união da nação”. “Vamos falar sobre isto, vamos adaptar-nos. Vamos juntar todos os parceiros sociais para debater sobre uma melhor gestão dos transportes, especialmente longe das cidades. Os grupos sociais estão prontos para abordar estes assuntos”, disse ainda Edouard Philippe.

O movimento de “coletes amarelos” nasceu espontaneamente num sinal de protesto contra a taxação de combustíveis em França. As ações de contestação estão a causar grande embaraço ao governo francês, tendo corrido mundo as imagens dos violentos confrontos entre manifestantes vestindo coletes amarelos e a polícia, no sábado, na emblemática avenida dos Campos Elíseos, em Paris.

As reivindicações dos coletes amarelos não mudaram, mesmo depois do Presidente Emmanuel Macron se ter dirigido à nação há uma semana. A grande carga de impostos, perda do poder de compra e desilusão geral com o Governo são as queixas mais comuns entre quem está a manifestar nas ruas do país.

O fim de semana ficou marcado em França por violentos protestos do movimento dos “coletes amarelos”, sobretudo por desacatos em Paris e por atos de vandalismo no Arco do Triunfo. O monumento, que é símbolo emblemático de Paris e da própria França, foi pintado, o seu museu saqueado e uma estátua partida, à margem dos protestos.

Os últimos dados sobre sábado indicam que 136 mil pessoas se juntaram à mobilização dos “coletes amarelos” e que houve 263 feridos, além de centenas de detidos. O primeiro-ministro fez ainda um aviso: “Se houver mais um dia de protestos no sábado, terá que ser declaro e deverá ser encarado com calma. O ministro do Interior vai utilizar todos os meios para forçar a ordem”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)