Rádio Observador

Espanha

PP e Ciudadanos dividem entre si governação na Andaluzia e têm apoio do Vox

104

Acordo fechado na Andaluzia deixa PP com o governo autonómico e o Ciudadanos com a presidência do Parlamento. A extrema-direita não entrou no acordo político, mas terá um lugar na Mesa do Parlamento.

 Juan Manuel Moreno, líder do PP da Andaluzia, diz que acordo com Ciudadanos torna a sua investidura "mais do que previsível"

JORGE GUERRERO/AFP/Getty Images

Está aberto o caminho para que Juan Manuel Moreno, líder do PP da Andaluzia, possa ser investido presidente do governo daquela comunidade autonómica. O acordo com o Ciudadanos,  sobre o programa político para a região, foi conseguido na véspera de Natal e conhecem-se agora os seus contornos: o partido de Albert Rivera — o que mais subiu nas eleições na região, no início deste mês — vai ficar com a presidência do Parlamento e o PP com a presidência da Junta da Andaluzia, representação máxima da comunidade. O Vox, força de extrema-direita, está fora do acordo político, mas terá um lugar na Mesa do Parlamento.

O presidente da Junta tem de ser aprovado por maioria absoluta do Parlamento — a legislatura arranca esta quinta-feira, depois das eleições de 2 de dezembro — e que será, assim, conseguida pela junção dos dois partidos, a direita conservadora do PP e a direita liberal do Ciudadanos, mas também do Vox, necessário para essa maioria — e cujo apoio já estará garantindo, segundo a imprensa espanhola.

O líder regional do PP afirmou esta quarta-feira que se trata de um “acordo estável” e que torna “mais do que previsível” a sua investidura. Também disse que até ao dia 11 de janeiro será conhecida a composição do novo governo, cuja posse ficará para o dia 16.

Tanto Moreno como o líder do Ciudadanos da Andaluzia, Juan Marin, disseram ainda que o Vox — o partido da extrema direita que teve um resultado surpreendente nas eleições (elegeu 12 deputados) — terá um lugar na mesa do Parlamento, ainda assim fora da vice-presidência do Parlamento. As três vice-presidências ficam para o PSOE, o PP e o Adelante Andalucía, a coligação entre os partidos de extrema-esquerda Podemos e Esquerda Unida, que foi a quarta força mais votada. Quanto ao Vox, a quinta força mais votada, ficará com um lugar de secretário da Mesa do Parlamento Andaluz, ao lado de PSOE e PP que aceitou conceder-lhe este lugar, concedendo-lhe “direito a voto e voz”, de acordo com o El Pais.

Nas eleições do início deste mês, o partido mais votado foi o PSOE, mas com o pior resultado de sempre na região e a ver entrar no Parlamento a extrema-direita, por via do Vox. Os socialistas e a sua líder regional Susana Díaz acabaram arredados do acordo de governação, com o PP e o Ciudadanos a tomarem a dianteira das negociações — a legislatura anterior terminou de forma antecipada depois de o partido de Rivera ter rasgado o acordo de governação que tinha com Susana Díaz, lançado a região andaluza para eleições.

Em maio, Espanha vai ter eleições municipais, autonómicas e o ciclo eleitoral fecha-se com as europeias. Estas eleições antecipadas nas Andaluzia eram vistas como um primeiro teste às forças políticas em Espanha — nomeadamente do PSOE, que está no Governo liderado por Pedro Sánchez — e acabou por mostrar a quebra eleitoral dos partidos tradicionais espanhóis, com o Ciudadanos a aparecer como o partido com maior subida (elegeu 21 depuados) e o Vox a ter aparecer com 12 deputados no Parlamento andaluz.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)