Nações Unidas

Guterres pede “ambiente livre de violência” nas eleições na República Democrática do Congo

As eleições gerais na República do Congo têm sido adiadas desde dezembro de 2016, quando o segundo e último mandato presidencial de Kabila acabou, de acordo com os limites constitucionais.

António Guterres, o secretário-geral das Nações Unidas

PONTUS LUNDAHL/EPA

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu esta sexta-feira que as eleições da República Democrática no Congo de domingo decorram “num ambiente livre de violência”.

Em comunicado, Guterres encorajou os cidadãos a aproveitarem “esta oportunidade histórica de participar da consolidação das instituições democráticas no país”.

“O secretário-geral lembra a todos os atores que têm um papel fundamental na prevenção da violência eleitoral, evitando todo o tipo de provocação e mostrando o máximo de contenção nas suas ações e palavras”, refere o documento.

No domingo decorrem as eleições presidenciais, legislativas e provinciais no país, nas quais vai ser eleito um sucessor do atual Presidente Joseph Kabila. Uma das coligações da oposição já convocou um protesto contra a decisão das autoridades de adiar as eleições em três distritos do país, depois de a comissão eleitoral ter adiado as eleições em áreas do nordeste e oeste da República Democrática no Congo devido à situação de violência e à presença do ébola.

Estas eleições gerais têm sido adiadas desde dezembro de 2016, quando o segundo e último mandato presidencial de Kabila acabou, de acordo com os limites constitucionais.

O último adiamento foi anunciado na semana passada, depois de um incêndio num armazém de material eleitoral em Kinshasa, que destruiu milhares de máquinas de votação e material eleitoral, obrigando a alterar a data das eleições de 23 para 30 de dezembro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)