Rádio Observador

Papa Francisco

Oficial. Lisboa vai ser capital das próximas Jornadas Mundiais da Juventude e Papa regressa a Portugal

23.957

No cerimónia de encerramento do encontro de jovens da Igreja Católica, no Panamá, Francisco confirmou: Lisboa vai receber as Jornadas Mundiais da Juventude em 2022.

PAULO NOVAIS/LUSA

Lisboa vai receber as Jornadas Mundiais da Juventude, em 2022, depois de a capital portuguesa ter sido escolhida para acolher um evento que reúne milhões de jovens de todo o mundo. O anúncio foi feito pelo Papa Francisco, este domingo, na Cidade do Panamá.

“Será um grande acontecimento para Portugal e para os jovens portugueses de todas as origens”, refere uma nota publicada no site da Presidência assim que o anúncio foi feito. Marcelo, que saúda a confirmação da escolha, “comemorou a notícia juntamente com todos os peregrinos e voluntários portugueses” presentes na cerimónia de encerramento das jornadas, no Panamá, acrescenta a mesma nota.

Numa declaração em vídeo para a Rádio Renascença, o Presidente da República não esconde o entusiasmo.

Conseguimos! Conseguimos! Portugal, Lisboa. Vitória, obviamente de Portugal, vitória do povo católico português, vitória da Igreja Católica, vitória, também do episcopado”, diz Marcelo.

Mas é também uma “vitória da lusofonia”. O Presidente da República diz que “um argumento decisivo” para a escolha de Lisboa foi o facto de Portugal ser uma “plataforma giratória para todos os continentes” e, em particular, “para África”. A mensagem termina com um “lá estaremos em 2022”.

[Vídeo: Marcelo revela detalhes da escolha de Lisboa para a Jornada da Juventude]

António Costa agradece ao Papa Francisco pela escolha de Portugal como palco das próximas Jornadas Mundiais da Juventude e garante à Câmara de Lisboa e ao patriarcado “todo o apoio” do Governo “para garantir o sucesso” de um “evento extraordinário para crentes e não crentes“. A reação ao anúncio da Igreja Católica chegou através do twitter do primeiro-ministro.

D. Manuel Clemente, cardeal patriarca de Lisboa expressou “muita alegria”. O bispo português considera que “esta jornada em Lisboa deve-se, sobretudo, ao movimento grande dos jovens católicos de Portugal, que, de várias maneiras, de há uns anos a esta parte, têm pedido que haja um acontecimento assim em Portugal”.

A expectativa era alta e a presença de vários responsáveis políticos e do episcopado português deixava antever uma confirmação de que Lisboa poderia mesmo ser a cidade escolhida para a próxima edição daquelas jornadas. Na Cidade do Panamá, o Presidente da República, o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa e, ainda, o cardeal-patriarca de Lisboa ouviram o líder da Igreja Católica confirmar a escolha, no final da cerimónia de encerramento das jornadas deste ano.

Na sua conta twitter, o presidente da Câmara de Lisboa publicou um vídeo com uma reação à escolha de Lisboa para acolher o evento. Lisboa como “capital do humanismo, da tolerância e da humanidade” é a ideia que o autarca lança e em torno da qual pede “uma grande mobilização” dos lisboetas.

Vamos fazer tudo para Lisboa ser palco das maiores e melhores jornadas que até agora foram realizadas”, diz o autarca.

“Para os crentes, para os milhões de crentes, este momento terá um significado especial. Mas terá também para todos os portugueses, todos os homens de fé, que creem numa sociedade melhor”, considera Medina, para quem o Papa Francisco é “uma referência moral do nosso tempo”.

Logo após o anúncio, e já depois de ter recebido os cumprimentos de Marcelo Rebelo de Sousa, o Papa Francisco dirigiu-se a uma zona lateral do espaço onde a cerimónia decorreu e teve um breve encontro com Fernando Medina e com um grupo de jovens portugueses que estiveram na Cidade do Panamá a assistir ao encerramento da edição deste ano das Jornadas Mundiais da Juventude. Depois de cumprimentar o líder da Igreja Católica, Fernando Medina registou o momento com uma selfie.

Medina é autarca em Lisboa, Bernardino Soares em Loures. O anúncio foi feito esta tarde, na Cidade do Panamá, mas o autarca comunista revela que os contactos com o patriarcado já decorrem há algum tempo.

“Já temos conversado, mas a partir de hoje iremos desencadear todos os processos de planeamento e preparação que são indispensáveis para que esta iniciativa seja um sucesso. É preciso avaliar o que será necessário em termos de espaço e de infraestruturas”, explicou Bernardino Soares.

A grande cerimónia das Jornadas da Juventude vão decorrer no nas margens do rio Trancão, nas imediações do Parque das Nações, um local que o presidente da Câmara de Loures considera ser “de enorme beleza, mas que necessita de ser requalificado”. Por exemplo, a construção de um passeio ribeirinho e a remoção dos contentores existentes na Bobadela, junto à Estrada Nacional 10.

Governo: Jornadas em Lisboa são “notícia extraordinária”

Numa reação à notícia, os jesuítas portugueses manifestaram “enorme alegria” pela escolha de Lisboa e anunciaram de imediato que  “a Companhia de Jesus irá organizar o Magis
2022, realizado uma semana antes”. Será, explica a companhia, “uma
espécie de pré-jornada para jovens de todo o mundo ligados às obras dos jesuítas” e que deverá reunir cerca de 2000 jovens em várias zonas do país.

A celebração das próximas Jornadas Mundiais da Juventude em Lisboa significa que, ao longo de um ano, nas várias atividades religiosas e culturais desenvolvidas, milhões de pessoas vão passar pela cidade. Na candidatura de Lisboa, para a edição de 2022, o Parque do Tejo e do Trancão, por baixo da Ponte Vasco da Gama, foi apresentado como o local para as grandes celebrações com o Papa.

As bases aéreas da Ota e do Montijo foram outras opções equacionadas mas, segundo o jornal especializado em religião Sete Margens, foram ultrapassadas.

De acordo com o mesmo jornal, o Parque do Tejo e do Trancão vai acolher duas celebrações: uma vigília noturna e a missa de encerramento das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ). No culminar das jornadas, já com a presença do chefe da Igreja Católica, é habitual estarem concentrados mais de um milhão de pessoas para assistir à missa (em Madrid, em 2011, participaram 1,5 milhões de jovens na cerimónia).

“Estamos a falar do maior evento de juventude que há no mundo, eu não sei mesmo se alguma vez em Portugal recebemos algo parecido com isto e, portanto, é uma notícia extraordinária”, disse à agência Lusa o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, depois de assistir à cerimónia na Cidade do Panamá.

As Jornadas Mundiais da Juventude foram inauguradas por João Paulo II, em 1985, e nas últimas edições têm-se realizado a cada três anos. No Panamá, na 34ª edição das Jornadas Mundiais da Juventude, são esperados cerca de 200 mil jovens vindos de 155 países. Nesse grupo estão cerca de 300 portugueses de 12 dioceses e seis congregações e movimentos diferentes (entre Salesianos, Caminho Neocatecumenal, Equipas de Jovens de Nossa Senhora, Juventude Mariana Vicentina, Schoenstatt e Focolares).

A delegação portuguesa incluiu também 30 voluntários e seis bispos, nomeadamente Manuel Clemente, cardeal-patriarca de Lisboa, Joaquim Mendes, presidente da Comissão Episcopal do Laicado e Família e bispo auxiliar de Lisboa, José Cordeiro, bispo de Bragança-Miranda, Manuel Felício, bispo da Guarda, D. Nuno Almeida, bispo auxiliar de Braga e Virgílio Antunes, bispo de Coimbra.

Papa lança “influencers” católicos do século XXI

O Papa Francisco chegou ao Panamá na quarta-feira para cumprir a tradição e presidir à cerimónia que encerra um ano de encontros e de partilha de experiências de muitos milhares de jovens. No seu último discurso antes de encerrar as Jornadas Mundiais da Juventude deste ano, foi aos jovens que o chefe da Igreja Católica falou, para pedir-lhes que se tornem “influencers do século XXI”, numa referência a um termo usado pelos utilizadores das redes sociais mais jovens para se referirem a alguém visto como modelo a seguir.

Francisco aproveitou o exemplo da Virgem Maria para mostrar como “se tornou na mulher que mais influenciou a história” — bastou essa menção para arrancar o aplauso e gritos da audiência.

Maria era uma jovem de Nazaré, não ia às redes sociais da época e não era uma ‘influencer’, mas sem querer tornou-se na mulher que mais influenciou a história”, explicou o Papa Francisco. “Maria, a ‘influenciadora’ de Deus”, definiu, acrescentando que ela tinha a força de saber dizer sim.

Aos olhos da Igreja, ser um influencer significa “ser guardião das raízes, guardião de tudo o que impede as nossas vidas de se tornarem gás e evaporarem-se em nada”. Mas, alerta também, “não se está a dar raízes ou alicerces à juventude”.

Sem educação é difícil sonhar com um futuro. Sem trabalho é muito difícil ter futuro, família e estar na comunidade”, sublinhou o Papa.

À chegada ao Panamá, no primeiro discurso perante os responsáveis políticos do país, o chefe da Igreja Católica sublinhou, de imediato, a importância de combater “qualquer forma de corrupção na política” e defendeu a adoção de uma cultura de transparência nos governos e no setor privado.

Nesse mesmo dia, já perante um público diferente, o Papa Francisco apelou aos milhares de jovens concentrados na capital do Panamá para promoverem discursos de união. E, num tempo em que alguns querem construir muros, Francisco pediu que se construíssem pontes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)