Rádio Observador

RTP

RTP disponível para negociar jogos do Euro 2020 com Sport TV, mas só no final do ano

Em declarações ao Observador, a estação pública diz que mantém o interesse de adquirir os direitos de transmissão dos jogos do Euro 2020, mas só quando estes estiverem no mercado, no final do ano.

RTP ainda fez proposta à UEFA, mas o organismo recusou

João Relvas/LUSA

Ao final da manhã soaram os alarmes para os adeptos de futebol: seria possível que todo o Europeu de Futebol de 2020 — jogos da Seleção Portuguesa incluídos — fosse transmitido exclusivamente pela Sport TV? Em entrevista à agência Lusa, o presidente executivo da empresa, Nuno Ferreira Pires, admitiu essa possibilidade. Segundo o CEO do canal desportivo, a Sport TV está disponível para negociar com os três canais generalistas (SIC, TVI e RTP) a transmissão de alguns jogos do Euro, nomeadamente os da seleção. Mas deixou um “mas”: em última análise até a Sport TV + poderia ser o “canal aberto” em que passariam os jogos da seleção.

Como? Segundo Nuno Ferreira Pires, a UEFA terá um entendimento diferente quanto à definição de canal aberto. Se em Portugal essa definição passa por este não ser um canal pago (ou seja, estar incluído na TDT), a entidade que gere o futebol europeu  — e que vende os direitos de transmissão — entende que essa condição de “aberto” passa pela percentagem de população (no caso 80%) que tem acesso ao canal.  Ora em Portugal, a Sport TV + está presente na grelha das três principais operadoras (Meo, Vodafone e NOS), que já abrangerão mais de 90% dos portugueses.

Em resposta ao Observador, a RTP começa por reconhecer o óbvio: a estação pública fez uma oferta pelos direitos, mas perdeu para a Sport TV, que agora é detentora de todos os jogos da competição, quer em sinal fechado quer “para free-to-air — canal de sinal aberto — quer para cabo”.

Mas o canal público mantém o interesse em negociar a compra dos direitos, algo que nem a SIC nem a TVI assumiram, apesar de também contactadas pelo Observador. A RTP mantém “o interesse em adquirir os direitos de transmissão para sinal aberto”, mas ressalva que apenas o fará “quando os jogos do Euro 2020 estiverem no mercado, o que deverá acontecer após o Governo publicar a lista de eventos de interesse público para 2020. Ou seja, quando o Governo publicar a lista de eventos de interesse público, que sai sempre até 31 de outubro do ano anterior.

Por outras palavras, a RTP entrará em ação com uma proposta, negociando diretamente com a Sport TV, mas só lá para novembro ou dezembro de 2019, a cerca de seis meses da competição.

A estação pública afirma ainda, em declarações escritas enviadas ao Observador, que “A RTP detém os direitos de todos os jogos a realizar pela Seleção Nacional A de futebol até à conclusão do Mundial 2022, com exceção dos jogos que a seleção vier eventualmente a realizar na fase final do Euro 2020”.

Acrescentando que “é igualmente a detentora exclusiva, em Portugal, dos direitos de todos os jogos do Mundial 2022, os quais poderá sublicenciar parcialmente”. Ou seja, no Mundial 2022, a RTP assumirá o papel que tem agora a Sport TV com o Euro 2020. 

Que é como quem diz: atenção ao negócio que fizermos com o Euro 2020, porque ainda temos o Mundial de 2022 para negociar. E não se sabe, neste momento, se a seleção nacional vai estar no Euro, no Mundial, em ambos ou em nenhum dos dois.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)