RTP

RTP disponível para negociar jogos do Euro 2020 com Sport TV, mas só no final do ano

Em declarações ao Observador, a estação pública diz que mantém o interesse de adquirir os direitos de transmissão dos jogos do Euro 2020, mas só quando estes estiverem no mercado, no final do ano.

RTP ainda fez proposta à UEFA, mas o organismo recusou

João Relvas/LUSA

Ao final da manhã soaram os alarmes para os adeptos de futebol: seria possível que todo o Europeu de Futebol de 2020 — jogos da Seleção Portuguesa incluídos — fosse transmitido exclusivamente pela Sport TV? Em entrevista à agência Lusa, o presidente executivo da empresa, Nuno Ferreira Pires, admitiu essa possibilidade. Segundo o CEO do canal desportivo, a Sport TV está disponível para negociar com os três canais generalistas (SIC, TVI e RTP) a transmissão de alguns jogos do Euro, nomeadamente os da seleção. Mas deixou um “mas”: em última análise até a Sport TV + poderia ser o “canal aberto” em que passariam os jogos da seleção.

Como? Segundo Nuno Ferreira Pires, a UEFA terá um entendimento diferente quanto à definição de canal aberto. Se em Portugal essa definição passa por este não ser um canal pago (ou seja, estar incluído na TDT), a entidade que gere o futebol europeu  — e que vende os direitos de transmissão — entende que essa condição de “aberto” passa pela percentagem de população (no caso 80%) que tem acesso ao canal.  Ora em Portugal, a Sport TV + está presente na grelha das três principais operadoras (Meo, Vodafone e NOS), que já abrangerão mais de 90% dos portugueses.

Em resposta ao Observador, a RTP começa por reconhecer o óbvio: a estação pública fez uma oferta pelos direitos, mas perdeu para a Sport TV, que agora é detentora de todos os jogos da competição, quer em sinal fechado quer “para free-to-air — canal de sinal aberto — quer para cabo”.

Mas o canal público mantém o interesse em negociar a compra dos direitos, algo que nem a SIC nem a TVI assumiram, apesar de também contactadas pelo Observador. A RTP mantém “o interesse em adquirir os direitos de transmissão para sinal aberto”, mas ressalva que apenas o fará “quando os jogos do Euro 2020 estiverem no mercado, o que deverá acontecer após o Governo publicar a lista de eventos de interesse público para 2020. Ou seja, quando o Governo publicar a lista de eventos de interesse público, que sai sempre até 31 de outubro do ano anterior.

Por outras palavras, a RTP entrará em ação com uma proposta, negociando diretamente com a Sport TV, mas só lá para novembro ou dezembro de 2019, a cerca de seis meses da competição.

A estação pública afirma ainda, em declarações escritas enviadas ao Observador, que “A RTP detém os direitos de todos os jogos a realizar pela Seleção Nacional A de futebol até à conclusão do Mundial 2022, com exceção dos jogos que a seleção vier eventualmente a realizar na fase final do Euro 2020”.

Acrescentando que “é igualmente a detentora exclusiva, em Portugal, dos direitos de todos os jogos do Mundial 2022, os quais poderá sublicenciar parcialmente”. Ou seja, no Mundial 2022, a RTP assumirá o papel que tem agora a Sport TV com o Euro 2020. 

Que é como quem diz: atenção ao negócio que fizermos com o Euro 2020, porque ainda temos o Mundial de 2022 para negociar. E não se sabe, neste momento, se a seleção nacional vai estar no Euro, no Mundial, em ambos ou em nenhum dos dois.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)