Direitos Televisivos

Sport TV compra a totalidade dos direitos do Euro 2020 incluindo o sinal aberto

299

A Sport TV adquiriu "a totalidade dos direitos" de transmissão televisiva do Euro 2020, que inclui "pela primeira vez" os direitos relativos ao sinal aberto.

Ricardo Junior /Global Imagens

A Sport TV adquiriu “a totalidade dos direitos” de transmissão televisiva do Euro 2020, que inclui “pela primeira vez” os direitos relativos ao sinal aberto. A informação foi avançada pelo presidente executivo da empresa, Nuno Ferreira Pires, em entrevista à Lusa.

Após um “trabalho de vários meses da equipa da Sport TV, em especial da equipa de programas de informação (…) no concurso UEFA para adquirir os direitos de transmissão do Euro 2020, a Sport TV anuncia hoje que adquirimos a totalidade dos direitos para o Euro 2020”, afirmou o gestor. Desconhece-se o valor envolvido na compra dos direitos do Euro 2020.

“A Sport TV será a televisão oficial do Euro 2020 e adquiriu a totalidade dos direitos de transmissão, incluindo o sinal aberto e o sinal fechado, e é a primeira vez na história da Sport TV” que a empresa “adquire a totalidade dos direitos para o Euro”, campeonato europeu de futebol, acrescentou.

A Sport TV tem vindo a garantir a transmissão dos sucessivos europeus e mundiais de futebol. O canal de acesso pago vai ter de intensificar agora uma negociação com os canais generalistas de sinal aberto — SIC, TVI e RTP — para que um deles adquira o direito a transmitir os jogos da seleção.

“Estou certo que por diferentes razões estratégicas, os três canais abertos terão que equacionar transmitir a totalidade dos jogos da seleção nacional. Aquilo que os portugueses esperam é poder acompanhar, jogo a jogo, a renovação do titulo de campeões europeus, e a equipa da Sport TV está já a trabalhar para que isso venha a acontecer”, especificou Nuno Ferreira Pires numa declaração escrita enviada ao Observador.

A Sport TV tem, no entanto, um trunfo na manga para o caso de a negociação com as televisões generalistas não correr bem: a Sport TV+. Este canal está incluído sem custo adicional no pacote televisivo das operadoras com maior distribuição (Vodafone, Meo e NOS). Tecnicamente, a Sport TV+ não é um canal sem custos (tal como são a SIC, a TVI e a RTP quando são distribuídas pela Televisão Digital Terrestre).

No entanto, segundo a Sport TV, a UEFA entende como canal aberto os que chegam a mais de 80% da população de um país. A cobertura da televisão por cabo em Portugal será neste momento superior a 90%, pelo que a Sport TV+ poderia ser o veículo dos jogos de transmissão obrigatória em “sinal aberto”. Pelo menos é este o entendimento da Sport TV, que — pela primeira vez — pode fazer valer este argumento à mesa das negociações.

Questionado pela Lusa sobre a razão pela qual também adquiriu os direitos de sinal aberto, Nuno Ferreira Pires explicou que o objetivo foi garantir que os portugueses tivessem acesso aos jogos da seleção de futebol portuguesa.

“Obviamente [que a Sport TV] iria garantir os direitos de transmissão que tem sempre e que tem renovado”, ou seja, a “promessa aos portugueses que em conteúdo nacional onde joga a seleção nacional e, em particular, numa competição desta magnitude que tem impacto mundial, a Sport TV estava no concurso para adquirir aquilo que sempre adquiriu”, disse.

“Neste caso em concreto, a UEFA entendeu que era fundamental haver uma segunda volta” no que respeita ao sinal aberto, uma vez que os estes canais “não estavam a conseguir corresponder às exigências da UEFA, pelo que a Sport TV entendeu que tinha de dar um passo adicional”, prosseguiu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)