Rádio Observador

França

Professores franceses dão nota máxima a todos os alunos para protestar contra mudanças nos exames

607

O governo francês quer reformular os exames do 12.º ano para os reduzir e focar em áreas específicas. Os professores estão a mostrar-se contra subindo as notas internas dos alunos.

O Presidente de França, Emmanuel Macron, está a recuperar do seu mínimo histórico de popularidade. Tem a aprovação de 32% dos eleitores

AFP/Getty Images

A estrutura base do sistema de exames francês, o baccalauréat, sofreu poucas alterações desde que foi estabelecido pelo Imperador Napoleão Bonaparte em 1808. O atual Presidente francês, Emmanuel Macron, quer reformular o sistema educacional, e modificar as provas que assinalam o final do 12.º ano é um dos passos anunciados. Mas, como relatam o France Inter e o Ouest France, vários professores franceses são contra a mudança e, em protesto, estão a dar notas máximas aos alunos para inflacionar as notas dos estudantes antes do exame.

Emmanuel Macron quer diminuir o número de exames, focar a matéria e tornar o baccalauréat uma via mais clara para aceder ao ensino superior, encaminhando os alunos mais cedo para cursos e ramos de estudo específicos. Alguns professores consideram que o novo sistema pode reforçar a divisão de classes na sociedade francesa, empurrando estudantes de famílias mais desfavorecidas para cursos menos qualificados e desencorajando o progresso social, conforme relata o France Inter.

Um professor da escola Jean-Perrin explicou ao Ouest France que o protesto atacava o governo sem prejudicar os alunos: “Corrigimos os testes e trabalhos e damos as notas reais aos alunos. Mas depois pomos sempre a nota máxima no portal de notas da escola”. O boicote é interpretado por um docente da escola Sophie Germain como “um bloqueio administrativo” que impede o sistema de funcionar, tendo em conta a importância das notas para o sistema educativo francês.

Ao Le Monde, o governo francês argumenta que os professores contestatários são uma minoria, sendo a mudança apoiada pelo maior sindicato nacional de dirigentes escolares. O executivo sublinha ainda que tem garantido várias mudanças bem sucedidas na educação francesa, incluindo a diminuição do número máximo de alunos por turma (para metade em certas localidades). Emmanuel Macron defende que o atual baccalauréat não prepara devidamente os alunos para o mercado laboral.

Emmanuel Macron conquistou a presidência francesa em 2017, e tenta em 2019 recuperar de uma longa quebra de popularidade ligada aos violentos protestos dos coletes amarelos. Também a educação foi um tema desses protestos. As medidas mais exigentes para a admissão de alunos no ensino superior, em específico, geraram críticas ao governo francês. Antes, em abril de 2018, estudantes bloquearam a entrada de várias universidades e escolas politécnicas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)