Rádio Observador

Parlamento Europeu

Francisco Assis demite-se de cargo europeu em protesto e fala mesmo de “censura”. Socialistas europeus rejeitam acusação

2.351

Eurodeputado demitiu-se depois de ter sido impedido de falar num debate sobre Venezuela. Socialistas europeus dizem que o deputado apenas não se inscreveu no debate

O eurodeputado Francisco Assis tinha o cargo de coordenador da Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O eurodeputado socialista Francisco Assis demitiu-se do cargo de coordenador da Assembleia Parlamentar Euro-Latino-American (EuroLat), depois de ter sido “impedido de participar” num debate de urgência no Parlamento Europeu sobre a Venezuela, realizado esta terça-feira. Francisco Assis considera, na carta de demissão à qual o Observador teve acesso, que a sua “dignidade parlamentar e pessoal” foi posta em causa. Esta tarde, em declarações aos jornalistas, o eurodeputado Francisco Assis confirmou as razões da demissão e acusou os responsáveis do grupo parlamentar europeu a que pertence de “censura”, uma acusação que o grupo parlamentar europeu rejeitou.

O grupo parlamentar europeu recusou as acusações, em nota enviada ao Expresso, ao dizer que “o S&D não pratica censura” e que “todos os parlamentares têm direito a exprimir-se”, sem deixar de dizer que “existem regras a respeitar, uma vez que os tempos de palavra são limitados”.

O grupo explica que “neste caso concreto, o Sr. Assis não fez o pedido [para falar no debate]”, um formalismo que Francisco Assis nega ao dizer que “o coordenador — cargo que ocupa — não tem de se inscrever para o debate”. O S&D considera que “todos os deputados, incluindo o presidente do grupo, têm de pedir por escrito o tempo de palavra”, diz a porta-voz.

A reação dos socialistas europeus surge depois da delegação portuguesa do PS no Parlamento Europeu negar ter tido qualquer envolvimento nesta decisão e a socialista Ana Gomes – que falou no debate – ter questionado a veracidade dos argumentos do colega de bancada.

Inexplicavelmente, fui impedido de participar no debate hoje [terça-feira] realizado no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, sobre este tema, sem que me tenha sido apresentada uma explicação plausível”, lê-se na carta de demissão de Francisco Assis.

No debate desta segunda-feira, o eurodeputado socialista pediu para falar, depois de o candidato do PSD às eleições europeias, Paulo Rangel, ter falado. Mas, ao contrário do que costuma acontecer, o grupo parlamentar a que pertencem os eurodeputados do PS não lhe deu autorização para falar, alegando que não se tinha inscrito para o fazer.

O eurodeputado não compreendeu este impedimento especialmente porque “até à presente data”, acrescenta, participou “ativamente em todos os debates levados a cabo neste Parlamento sobre a situação vivida neste país”.

Considero tal facto ofensivo da minha dignidade parlamentar e pessoal, pelo que, para a devida salvaguarda da mesma, venho apresentar a demissão das funções de Coordenador dos Socialistas & Democratas no EUROLAT, com efeitos imediatos”, escreveu ainda.

Já esta quarta-feira, aos jornalistas portugueses que o questionaram em Estrasburgo depois da carta divulgada pelo Observador, Francisco Assis esclareceu: “Eu não tinha de inscrever porque era o coordenador e o coordenador não tem de se inscrever para um debate porque o coordenador, por natureza, está inscrito no debate, só se não quiser falar é que tem de dizer que não quer falar”.

Posto isto, o eurodeputado não poupou nas palavras para classificar o facto de não lhe ter sido dada a palavra no debate de segunda-feira: “Isto tem um nome e é censura, fui vítima de censura no S&D [sigla em inglês do Grupo da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas]”.

Foi por isso que escreveu a carta de demissão depois do debate e a entregou ao presidente do S&D, Udo Bullmann, ainda na terça-feira. Fonte próxima do eurodeputado confidenciou ao Observador que Francisco Assis sentiu que estava a “ser encostado” pelo PS e que lhe estavam a tirar a liberdade e a responsabilidade numa área onde, aliás, é coordenador.

No entanto, fonte oficial da delegação portuguesa dos eurodeputados do PS, contactada pelo Observador rejeita que tenha havido “qualquer indicação para que Francisco Assis não falasse sobre a Venezuela ou qualquer outro assunto que tenha a ver com a América Latina, antes pelo contrário”. A mesma fonte alega ainda desconhecimento da carta de demissão.

De acordo com a descrição que é feita por um socialista português a partir de Bruxelas, “Assis é o ponta-de-lança” do PS nessas matérias e o caso ter-se-á dado como o culminar de “um conjunto de situações entre o eurodeputado e o grupo do S&D que se têm acumulado nos últimos tempos”, sem especificar quais são essas situações.

Já no Twitter, Ana Gomes partilhou a notícia e disse ser falsa. “É falso que o PS o tenha impedido”, detalhou a eurodeputada do PS em declarações ao Observador. “É uma interpretação que tem uma intenção política de atingir a campanha eleitoral”, acrescenta garantindo que “o PS não impediu nada, não meteu nem prego nem estopa. A questão é saber se o Francisco Assis pediu a palavra” para intervir no debate. Ana Gomes pediu e foi-lhe concedida, depois de ter endereçado um email ao coordenado do grupo socialista na sexta-feira passada. Esta segunda-feira teve o aval para intervir. “Isto é o normal”, diz sobre o procedimento.

“Se eles tivessem pedido para ceder o meu minuto ao Francisco Assis, eu teria cedido”. Ana Gomes diz que nem viu Francisco Assis no debate, mas considera que é quase certo que lhe teria sido dada palavra se a tivesse pedida atempadamente já que “ele é o coordenador da Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana”. “Ele terá pedido formalmente a palavra?”, questiona a eurodeputada.

Em resposta à colega de bancada, Francisco Assis admitiu não se ter inscrito, mas notou que “a questão da inscrição ou não inscrição é um absurdo” e salientou que “o que é verdade é que, pela primeira vez, num debate sobre a Venezuela”, foi impedido de falar. “Compreendo que a deputada Ana Gomes fale nela [na inscrição] porque ela tinha de se inscrever”, continuou dizendo que, enquanto coordenador dos socialistas europeus na EuroLat, era inclusive “chamado sobre quem é que deve falar em debates sobre a América Latina”.

Quanto ao Partido Socialista, Assis respondeu que nunca falou do PS e centrou a questão no S&D, mas acrescentou: “As razões pelas quais isto aconteceu eu não sei quais são, acho isto tudo muito estranho, de facto”.

Eurodeputado sente-se posto num palco secundário “para não tirar protagonismo a Pedro Marques”

Fontes próximas do eurodeputado explicaram ao Observador que Francisco Assis tem-se sentido colocado em segundo plano desde que começou o período de pré-campanha para as eleições europeias, sobretudo depois de o anúncio dos candidatos do PS. Têm-no posto num palco secundário, “claramente para não tirar protagonismo ao Pedro Marques que não é ainda eurodeputado e aos outros nomes da lista que já estão em Bruxelas”, alega a mesma fonte.

Um dos exemplos apontados aconteceu na última segunda-feira, quando a RTP emitiu o programa “Prós e Contras” a partir de Estrasburgo, para falar de Europa, e onde o eurodeputado que foi cabeça de lista pelo PS nas últimas Europeias não só não esteve no palco, como ficou sentado na segunda fila, na plateia. Algo que terá desagradado a Assis, que terá visto aqui mais um sinal de desvalorização do seu papel.

As mesmas fontes lembram ao Observador que Assis sempre foi uma voz crítica do regime venezuelano e já publicava crónicas de opinião a denunciar a situação vivida naquele país “mesmo quando o PS ainda andava enfeitiçado com as políticas chavistas, mesmo até colocando-se em confronto com o próprio Augusto Santos Silva que tinha uma posição de alguma tolerância inicial com o regime”.

Francisco Assis ocupou o cargo, do qual agora se demitiu, durante dois anos e meio “com empenho e dedicação”, escreve na carta de demissão, “acompanhando de muito perto tudo quanto se passa na América Latina assim como tudo o que tem que ver com a relação entre esta região do mundo e a UE”. “Ademais, na qualidade de presidente da Delegação para as Relações com o Mercosul, segui nos últimos anos com especial atenção a evolução da dramática situação política e económica da Venezuela”, lê-se também na carta.

Notícia atualizada ao início da tarde desta quarta-feira com as declarações da eurodeputada socialista Ana Gomes e novamente ao final da tarde com as declarações de Francisco Assis

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: pbenevides@observador.pt
Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)