Esta segunda-feira pode ter sido o dia das mentiras, mas Mark Zuckerberg escolheu a data para mostrar como quer conter o fenómeno das notícias falsas. O fundador e líder do Facebook afirmou que está a considerar contratar editores e pagar a empresas de comunicação social (publishers) para escolherem “notícias de grande qualidade” para serem publicadas numa nova secção só para notícias na rede social.

[A entrevista completa que Mark Zuckerberg fez a Mathias Döpfner foi publicada pelo presidente executivo na rede social:]

This year I'm hosting a series of discussions about the future of technology and society. This time I sat down with Mathias Döpfner in Berlin. He started his career as a journalist and he's now the CEO of Axel Springer, the largest publisher in Europe. We talked about the role quality journalism plays in building informed communities and the principles Facebook should use for building a news tab to surface more high quality news, including the business model and ecosystem to support it. We also discussed the privacy-focused vision I laid out for the future of social networking and the four ideas for internet regulation I published this weekend. These are important topics and I could have spent hours talking to Mathias about them. It's important to me that we help people get trustworthy news and find solutions that help journalists around the world do their important work.

Posted by Mark Zuckerberg on Monday, April 1, 2019

A divulgação destas novas medidas foi feita durante uma entrevista que Zuckerberg que fez a Mathias Döpfner, jornalista e presidente executivo da Axel Springer SE, a maior empresa de jornais da Europa, em Berlim. Durante a conversa, que fez parte da resolução para 2019 do fundador do Facebook de organizar discussões públicas sobre tecnologia e sociedade, o responsável afirmou que o objetivo é “promover conteúdos” feitos por outras organizações noticiosas.

Resolução para 2019 de Mark Zuckerberg? Organizar discussões públicas sobre tecnologia e sociedade

Mesmo sem a nova diretiva de direitos de autor ainda estar completamente aprovada, com o artigo 15 (artigo 11) que pode vir a forçar o Facebook a pagar a publishers para partilhar notícias na União Europeia, a rede social está a ponderar criar um sistema em que compra conteúdos noticiosos em todo o mundo. Mathias Döpfner tem sido crítico do Facebook por a rede social não pagar a empresas de comunicação pelos conteúdos.

Zuckerberg pede nova legislação para a Internet. Facebook agora explica o que vemos no feed

Este fim de semana, depois de se saber que o Facebook apagou “sem querer” partilhas antigas de Mark Zuckerberg, a empresa anunciou novas medidas para tornar a plataforma mais transparente. O responsável explicou como funciona o algoritmo num post publicado na rede social e publicou um texto no Washington Post a pedir mais regulação.

Em 2018, num ano em que o Facebook foi acusado de propagar fake news [notícias falsas] e de não ter atuado nestas situações, a rede social tem feito esforços para mitigar este fenómeno, como mudar o algoritmo para que os utilizadores vejam mais conteúdos de amigos e criar centros de controlos para, durante as eleições, conter a partilha de notícias falsas. A rede social tem tentado dar a volta à perda de confiança que teve.