Todos os posts de Mark Zuckeberg publicados na sua página de Facebook entre 2007 e 2008 e outras inúmeras partilhas do fundador e presidente executivo da rede social foram apagadas “por acidente”. A empresa afirma que não vai voltar a publicar os posts porque isso implicaria demasiado trabalho e podia nem sequer funcionar, avançou o Business Insider.

Partilhas como o momento em que Zuckerberg fala da aquisição do Instagram ou a publicação em que o presidente executivo da rede social lamentou em 2013 a morte do chefe de cozinha principal da empresa, Josef Desimone, deixaram de estar acessíveis. O mesmo jornal relembra que, depois desse momento, a empresa fez uma festa de despedida para o funcionário que acabou com inúmeras pessoas alcoolizadas e chegaram a existir conflitos violentos com gangues.

Há alguns anos apagámos alguns dos posts do Mark por erro devido a problemas técnicos. O trabalho necessário para recuperar todos teria sido extensivo e não era garantido que seria bem-sucedido, por isso não o fizemos”, disse a rede social como justificação.

O Facebook defende que “as pessoas devem encontrar informação sobre anúncios passados e grandes notícias da empresa”. Por isso, a rede social afirma que mantém no Newsroom, uma secção online para comunicados de imprensa relacionados com o Facebook, toda a informação pública e arquivada. Contudo, quanto às partilhas feitas na página oficial de Zuckerberg, a empresa afirma que não tem informação de quantos posts foram apagados e o próprio Newsroom também teve alterações à forma como arquiva conteúdos para serem encontrados.

O problema, como é possível perceber na ligação que levava ao post de Zuckerberg sobre a compra do Instagram, é que agora os posts estão completamente inacessíveis e surge uma página de erro. Ao serem apagadas, todas as partilhas destas publicações através do embed — partilha direta do post noutro site — do Facebook, como o Observador costuma fazer em vários artigos, deixaram de estar disponíveis.

No caso do Instagram, como lembra o Business Insider, Zuckerberg comprometia-se na publicação a deixar esta rede social “crescer e ser construída de forma independente”. No final de setembro de 2018, os fundadores do Instagram saíram da empresa fundada por Zuckerberg em conflito com o próprio.

Esta rede social adquirida pelo Facebook tem tido tido cada vez mais utilizadores, ao contrário do Facebook que começa a ver os utilizadores a deixarem a plataforma por outras. De forma a tornar o Instagram mais rentável, o Facebook tem apresentado novas medidas para esta rede social, como vendas diretas ou mais integração com outras aplicações, como o Messenger.

[Nem todas as publicações antigas de Mark Zuckerberg foram apagadas, como mostra o embed abaixo]

Posted by Mark Zuckerberg on Wednesday, November 23, 2005

Não é a primeira vez que a conta de Mark Zuckerberg tem problemas de conteúdos apagados. Em abril de 2018, várias mensagens enviadas pelo presidente executivo a outros utilizadores por Messenger, foram apagadas. Na altura, não era possível apagar mensagens enviadas por este serviço de chat online da empresa. O problema nesta última situação foi que aconteceu poucos dias depois de rebentar o caso Cambridge Analytica, em que se descobriu que o Facebook foi negligente com a empresa de análise de dados e 87 milhões de perfis foram usados indevidamente para influenciar eleições. No último ano, a rede social tem enfrentado vários problemas por falhas de proteção de dados dos utilizadores.