Rádio Observador

Mercedes-Benz

Mercedes arrisca com GLB ‘melhor’ que o GLC

A família SUV da Mercedes não cessa de crescer e surpreender. A marca aposta forte no futuro GLB, aliando a uma estética mais robusta um habitáculo com lugar para sete ocupantes. O GLC que se cuide...

Entre o GLA e o GLC, vai surgir o GLB. Mais um SUV a adicionar à já extensa lista de modelos deste tipo que a Mercedes tem na sua gama, com a marca da estrela a acreditar que o GLB “é a resposta” certa para responder às aspirações dos clientes que procuram uma proposta mais aventureira, mais espaçosa e igualmente mais acessível.

A versão de produção do futuro GLB deverá ser revelada neste Verão, possivelmente no Salão de Frankfurt, sem que contudo se esperem grandes alterações face ao concept que a Mercedes acaba de revelar em Xangai, China. E, a ser assim, o GLB que vai ser lançado ainda no final deste ano aproxima-se perigosamente da classe acima, o GLC. Com algumas agravantes: oferece a possibilidade de transportar até sete ocupantes em três filas de bancos, quando o GLC se fica pelos cinco, e exibe uma estética mais musculada, capaz de cativar mais facilmente os apreciadores de uma estética mais SUV e menos crossover…

Assente na plataforma MFA – a mesma que serve as diferentes variantes do Classe A e também o Classe B –, o protótipo que antecipa o GLB consegue ser praticamente do mesmo tamanho do GLC que, recordamos, se destina a um segmento acima. A largura é exactamente a mesma (1890 mm), sendo apenas 2,2 cm menos comprido (4634 contra 4656 mm). Na distância entre eixos, o GLC continua a ser maior, mas pouco: são 2873 mm versus 2829 mm, mas os 4,4 cm a menos do GLB não o impedem de oferecer uma terceira fila de assentos, capaz de acomodar mais duas pessoas em lugares que a Mercedes descreve como confortáveis para indivíduos de média estatura – idealmente aqueles que são conhecidos como… crianças. De série, o GLB oferece duas filas de bancos, tal como o GLC, mas ao contrário deste disponibiliza como opcional a terceira fila. O acesso a esta é facilitado pelo ajuste longitudinal da segunda fila de bancos, que avança 14 cm. De recordar que o único SUV da marca alemã que até aqui oferecia 7 lugares era o GLE, substancialmente maior e mais caro.

Quanto ao interior, o ambiente é o esperado, convocando o parentesco com o Classe A e GLA, nomeadamente por via da solução de duplo display – a instrumentação digital ‘prolonga-se’ até ao ecrã central que está ao serviço do sistema de informação e de entretenimento.

A nível mecânico, o protótipo do GLB surge em Xangai com os quatro cilindros a gasolina que equipa o Classe A 250. Contudo, mecanicamente a oferta não vai cingir-se a este 2,0 litros com 224 cv e 350 Nm, sendo expectável que o SUV compacto venha a oferecer as mesmas motorizações a gasolina e diesel que já animam o classe A e CLA, com potências entre os 116 e os 224 cv. A esta oferta há que somar ainda uma mais radical versão AMG, com uma potência acima dos 300 cv. Lá mais para frente surgirá uma versão híbrida plug-in a gasolina capaz de percorrer até 100 km em modo eléctrico, antes da chegada da variante puramente eléctrica, o EQB.

Com chegada a Portugal agendada para Novembro, o GLB irá posicionar-se entre o GLA e o GLB, em termos de preço, o que significa entre os 51 mil euros do primeiro e os 67 mil euros do segundo. Sempre com a vantagem de uma maior volumetria interior, tanto no habitáculo como na mala, fruto de um design mais “boxy”, de linhas mais direitas a fazer recordar o GLK. Os preços deverão ser conhecidos apenas depois do Verão.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)