Entre o GLA e o GLC, vai surgir o GLB. Mais um SUV a adicionar à já extensa lista de modelos deste tipo que a Mercedes tem na sua gama, com a marca da estrela a acreditar que o GLB “é a resposta” certa para responder às aspirações dos clientes que procuram uma proposta mais aventureira, mais espaçosa e igualmente mais acessível.

A versão de produção do futuro GLB deverá ser revelada neste Verão, possivelmente no Salão de Frankfurt, sem que contudo se esperem grandes alterações face ao concept que a Mercedes acaba de revelar em Xangai, China. E, a ser assim, o GLB que vai ser lançado ainda no final deste ano aproxima-se perigosamente da classe acima, o GLC. Com algumas agravantes: oferece a possibilidade de transportar até sete ocupantes em três filas de bancos, quando o GLC se fica pelos cinco, e exibe uma estética mais musculada, capaz de cativar mais facilmente os apreciadores de uma estética mais SUV e menos crossover…

Assente na plataforma MFA – a mesma que serve as diferentes variantes do Classe A e também o Classe B –, o protótipo que antecipa o GLB consegue ser praticamente do mesmo tamanho do GLC que, recordamos, se destina a um segmento acima. A largura é exactamente a mesma (1890 mm), sendo apenas 2,2 cm menos comprido (4634 contra 4656 mm). Na distância entre eixos, o GLC continua a ser maior, mas pouco: são 2873 mm versus 2829 mm, mas os 4,4 cm a menos do GLB não o impedem de oferecer uma terceira fila de assentos, capaz de acomodar mais duas pessoas em lugares que a Mercedes descreve como confortáveis para indivíduos de média estatura – idealmente aqueles que são conhecidos como… crianças. De série, o GLB oferece duas filas de bancos, tal como o GLC, mas ao contrário deste disponibiliza como opcional a terceira fila. O acesso a esta é facilitado pelo ajuste longitudinal da segunda fila de bancos, que avança 14 cm. De recordar que o único SUV da marca alemã que até aqui oferecia 7 lugares era o GLE, substancialmente maior e mais caro.

8 fotos

Quanto ao interior, o ambiente é o esperado, convocando o parentesco com o Classe A e GLA, nomeadamente por via da solução de duplo display – a instrumentação digital ‘prolonga-se’ até ao ecrã central que está ao serviço do sistema de informação e de entretenimento.

A nível mecânico, o protótipo do GLB surge em Xangai com os quatro cilindros a gasolina que equipa o Classe A 250. Contudo, mecanicamente a oferta não vai cingir-se a este 2,0 litros com 224 cv e 350 Nm, sendo expectável que o SUV compacto venha a oferecer as mesmas motorizações a gasolina e diesel que já animam o classe A e CLA, com potências entre os 116 e os 224 cv. A esta oferta há que somar ainda uma mais radical versão AMG, com uma potência acima dos 300 cv. Lá mais para frente surgirá uma versão híbrida plug-in a gasolina capaz de percorrer até 100 km em modo eléctrico, antes da chegada da variante puramente eléctrica, o EQB.

Com chegada a Portugal agendada para Novembro, o GLB irá posicionar-se entre o GLA e o GLB, em termos de preço, o que significa entre os 51 mil euros do primeiro e os 67 mil euros do segundo. Sempre com a vantagem de uma maior volumetria interior, tanto no habitáculo como na mala, fruto de um design mais “boxy”, de linhas mais direitas a fazer recordar o GLK. Os preços deverão ser conhecidos apenas depois do Verão.