Rádio Observador

Eleições Europeias

Europeias. Sondagens PS pouco acima do PSD, com possibilidade de empate técnico

1.487

Sondagens Aximage para Negócios/Correio da Manhã e da Pitagórica para o JN/TSF põem o PS e o PSD muito próximos e com empate técnico. Num dos casos elegem o mesmo número de eurodeputados.

As eleições europeias realizam-se a 26 de maio em Portugal. PS lidera sondagens, mas grande parte dos inquiridos desconhece o candidato socialista Pedro Marques

JOSÉ COELHO/LUSA

A exatamente um mês das eleições europeias o Negócios e CM e a TSF e o JN divulgam sondagens da Aximage e Pitagórica, respetivamente. Há diferenças nos resultados, mas ambas mostram o mesmo: o PS à frente do PSD por pouco mais de 1% e em possível situação de empate técnico (de eleição do mesmo número de eurodeputados).

Na sondagem do Negócios/CM, na liderança das intenções de voto, o PS teria 31,7% dos votos se as eleições se realizassem esta sexta-feira, com possibilidade de eleger entre oito a nove eurodeputados. Já o PSD teria 29% das intenções de voto, podendo levar para o Parlamento Europeu entre sete a oito eurodeputados.

Nesta sondagem, a CDU, que junta o PCP e o partido Os Verdes, surge na terceira posição com 8,4% das intenções de voto e, logo a seguir, surge o BE com 8,3 dos votos (podem eleger dois eurodeputados). A seguir, mas bastante perto também, surge o CDS/PP com 7,7% (pode levar para Bruxelas entre um a dois eurodeputados). Na corrida para eleger apenas um eurodeputado, surgem no final desta sondagem o Basta com 1,8% dos votos e o PAN e o Aliança, ambos com 1,3%.

Os resultados obtidos para a TSF e o JN não são muito diferentes. O PS, com 30,3% das intenções de voto, surge também à frente do PSD, com 29%. Se fossem assim os resultados, os dois partidos elegeriam oito eurodeputados, ficando numa situação de empate técnico.

Nas últimas eleições de 2014, o PS, com 31,36% dos votos, ganhou ao PSD, que teve apenas 27,71% dos resultados. Foi este resultado que levou à queda de António José Seguro, antigo secretário geral do PS, quando o atual primeiro-ministro, António Costa, na altura presidente da Câmara de Lisboa, tomou a liderança do partido com a crítica: “Quem ganha por poucochinho é capaz de poucochinho”.

Em terceiro lugar nos resultados da Pitagórica, está o BE com 11,3%. Já o CDS/PP, ficaria em quarto com 7,6% dos resultados e, em último, a CDU, com 6,5%. Nestas contas, não haveria hipótese para mais partidos terem hipótese de chegar a Bruxelas, ao contrário da outra sondagem (o PDR é o único que surge com resultados com relevância, com 1,7% dos votos).

As duas sondagens referem também que há ainda eleitores indecisos, mas variam bastante nos resultados. A Aximage afirma que há apenas 3,5%. Já a Pitagórica diz que há ainda 26,2% (cerca de um em cada quatro eleitores).

Em notoriedade, Pedro Marques perde

Na notoriedade dos candidatos parece ser Pedro Marques, o cabeça de lista do PS, a criar dores de cabeça para as contas dos socialistas contra o PSD. Segundo a Aximage, num teste de popularidade, o antigo Ministro do Planeamento é o menos conhecido. 29,9% dos inquiridos sabe identificar quem é o eurodeputado Paulo Rangel, o cabeça de lista dos sociais-democratas. Já Pedro Marques desce em relação a resultados anteriores, com apenas 20,4% dos inquiridos a saberem dizer quem é o candidato.

Nestes resultados a eurodeputada Marisa Matias, a cabeça de lista do BE, surge com 16,2% dos resultados, seguida pelos eurodeputados Nuno Melo  cabeça de lista do CDS/PP, e João Ferreira, cabeça de lista da CDU, com apenas 5,6%.

No que respeita a classificações de desempenho, a mesma sondagem põe na liderança Marisa Matias, com uma nota de 11 valores (em 20). Paulo Rangel tem também nota positiva, mas só de passagem: 10,3. Nuno Melo, João Ferreira e Pedro Marques ficam com classificação negativa segundo os inquiridos, com 9,5, 9,2 e 8,8.

Os resultados da Pitagórica relativos à idade dos eleitores mostram que o PSD parece estar a cativar eleitores mais novos, com 25 e 34 anos, ao estar oito pontos percentuais à frente do PS  (21,2% contra a 12,9%).

*Artigo alterado às 12h04. Onde se lia “popularidade”, lê-se agora “notoriedade”

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)