Rádio Observador

Volkswagen

Volta canhão. VW brilha no Nürburgring com I.D. R

A VW percorreu uma volta em 6.05,336 ao circuito alemão de Nürburgring. A “máquina” escolhida foi o I.D. R, o protótipo de competição com que venceu Pikes Peak na categoria dos eléctricos.

Nürburgring continua a ter uma magia muito especial para a maioria dos construtores de automóveis. O traçado alemão onde Niki Lauda quase perdia a vida ao volante de um Ferrari, considerado demasiado perigoso para acolher as provas de F1, e que Jackie Stewart apelidou de Inferno Verde, exerce uma atracção brutal sobre os desportivos, que ali rumam para ver quem é o melhor, ao bater o tempo averbado pelos concorrentes.

Isto leva a que existam uma série de recordes em disputa, envolvendo sempre veículos produzidos em série, do SUV mais veloz ao desportivo com apenas tracção à frente, passando pela melhor berlina, superdesportivo e, até, o veículo eléctrico mais rápido no circuito de 20,8 km. A Volkswagen, por exemplo, é uma habitué da pista alemã, tendo mesmo produzido versões do Golf GTI (Club Sport) para chamar a si o ceptro entre os tracções à frente, que hoje pertence ao Mégane RS Trophy-R.

Desta vez, a VW regressou a Nürburgring com outro objectivo, que consistia em ver até onde poderia chegar o I.D. R, o protótipo que construiu para vencer a rampa americana de Pikes Peak, onde bateu a concorrência e de onde saiu com o recorde da subida mais rápida, que acumulou com a melhor subida para protótipos eléctricos. Depois de brilhar na rampa, o I.D. R foi alvo de algumas alterações e de uma série de testes para o adaptar ao longo traçado germânico. O construtor não entrou em grandes detalhes, mas tudo indica que os dois motores eléctricos (um por eixo para garantir tracção integral) continuavam a fornecer 680 cv, o que parece muito pouco, mas ganha outra dimensão devido ao reduzido peso (apenas 1.100 kg) do chassi e carroçaria, exclusivamente em fibra de carbono.

Com Romain Dumas ao volante, ele que já tinha dominado Pikes Peak, o I.D. R cumpriu a volta mais rápida em 6 minutos, 5 segundos e 336 milésimos, um valor espectacular para um carro – ainda que de competição, espartano e desprovido de qualquer tipo de luxo – de accionamento eléctrico, o que permite à VW reivindicar o melhor tempo entre veículos não poluentes. Para se ter uma ideia, a melhor volta no site oficial do circuito é pertença do Nio EP9, um veículo eléctrico de que se produziram apenas seis unidades, mas que não deixa de ser um veículo produzido em série e homologado para circular em estrada. Com 1.360 cv e 1.735 kg, o Nio rodou em 6.45,90, surgindo na 2ª posição entre os modelos capazes de circular em estrada, atrás do Lamborghini Aventador SVJ (6.44,97), mas à frente de superdesportivos como o Radical SR8 LM (6.48,00) ou o Lamborghini Huracán Performante (6.52,01).

Resta saber que novos desafios reserva a marca para o I.D. R, sendo certo que a primeira visita será a uma rampa na China. Mas o mais importante neste projecto do protótipo eléctrico são os conhecimentos que o construtor vai acumulando no que respeita à bateria, gestão eléctrica e regulação dos dois motores, uma vez que em matéria de chassi, suspensões e travões, ninguém põe em causa a competência da VW Motorsport, que depois de ganhar o Dakar, dominou como quis o Campeonato do Mundo de Ralis.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)