O caso de Tancos já tem 25 arguidos — e terá em breve o 26.º. O último responsável a ser constituído arguido foi o coronel de infantaria Amândio Marques, diretor da Direção de Investigação Criminal do Comando Operacional da GNR, estando igualmente previsto para os próximos dias que o coronel Taciano Correia, antecessor de Amândio Marques, seja também arguido no inquérito criminal sobre o assalto aos paióis de Tancos que ocorreu na madrugada de 28 de junho de 2017.

Ao que o Observador apurou, Amândio Marques foi constituído arguido na semana passada no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, em co-autoria pelos crimes de associação criminosa, tráfico de armas, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos e favorecimento pessoal praticado por funcionário tendo ficado suspenso de funções. O coronel Marques foi ainda proibido de contactar o Tenente-General Rui Clero, atual segundo comandante-geral da Guarda, o General Pires da Silva, atual Comandante Operacional da GNR e o Coronel Crasto, ex-comandante da GNR de Faro.

O Observador também confirmou que Taciano Correia será brevemente constituído arguido. Encontra-se em missão na República Centro Africana e vai regressar a Portugal nos próximos dias para ser ouvido no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa . Será arguido em co-autoria pelos mesmo crimes que foram imputados a Amândio Marques e aos restantes arguidos.

O inquérito criminal liderado pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) está dividido em duas partes:

  • O roubo propriamente dito alegadamente efetuado por um grupo liderado pelo ex-fuzileiro João Paulino na madrugada de 28 de junho de 2017. Há nove arguidos constituídos por estes factos, sendo que oito participaram no assalto. Uma boa parte destes alegados assaltantes estão em prisão preventiva ou domiciliária.
  • E o processo do achamento. O que é o achamento? Foi uma negociação ilegal entre a PJM e os suspeitos do roubo, com intermediação de vários guardas da GNR de Albufeira, para que estes entregassem as armas e explosivos roubados.

Tal como aconteceu a 4 de julho com Azeredo Lopes, ex-ministro da Defesa Nacional, Amândio Marques e Taciano Correia serão constituídos arguidos na segunda parte do inquérito. Ou seja, os investigadores suspeitam que os responsáveis da investigação criminal da GNR estariam alegadamente a par da negociação que terá ocorrido entre a Polícia Judiciária Militar e os alegados assaltantes. Daí a imputação que é feita pelo DCIAP.