Rádio Observador

Eleições

Legislativas. Guarda e Viseu perdem deputados para Lisboa e Porto

299

É a primeira vez na democracia portuguesa que o Porto chega às quatro dezenas de mandatos. Guarda e Viseu nunca tiveram tão poucos e isso podem ser más notícias para o PSD.

MÁRIO CRUZ/LUSA

É preciso recuar 14 anos para encontrar a última vez que o círculo eleitoral de Lisboa elegeu 48 deputados para o hemiciclo. No Porto, nem antes da redução de 250 para 230 deputados (altura em que Lisboa manteve 56 mandatos durante vários governos) o círculo conseguia mandatar 40 deputados, o que vai acontecer com a eleição de outubro. Estreia é também o baixo número de deputados pelos círculos da Guarda e Viseu. Guarda, que antes da redução para 230 deputados chegou a ter cinco deputados, passa em 2019 para três e Viseu desce, pela primeira vez, aos oito. Perdem um deputado cada.

Segundo dados de recenseamento a que o Observador teve acesso, a 6 de outubro serão chamados a votar em Portugal 9.318.580 eleitores a que se somam 848.145 na Europa e 583.680 do círculo Fora da Europa. São mais de 10 milhões e 750 mil portugueses para eleger 230 deputados em 22 círculos. 

Com a publicação do decreto de Marcelo Rebelo de Sousa — na quinta-feira — que convoca eleições legislativas para o dia 6 de outubro, o recenseamento eleitoral válido é o de dia 31 de julho, dia anterior ao da convocatória. O mapa com o número de deputados a eleger para a Assembleia da República e a sua distribuição pelos círculos eleitorais será publicado em Diário da República, pela Comissão Nacional de Eleições, entre 7 e 12 de agosto, respeitando a obrigatoriedade de o fazer entre os 60 e 55 dias anteriores à eleição.

Mas já é possível tirar conclusões: em território nacional há menos quase 122 mil eleitores do que nas últimas legislativas de 4 de outubro de 2015 (quando eram 9.440.297), mas o recenseamento automático dos emigrantes portugueses (na Europa e resto do mundo) faz disparar o número de eleitores para os 10.750.405, já que o recenseamento automático fez com que os eleitores fora de Portugal passassem de menos de 300 mil para mais de 1 milhão e 400 mil.

Uma distribuição de mandatos que não é indiferente às lógicas partidárias, na medida em que há distritos que são tradicionalmente mais afetos a um partido ou a outro. E o PSD pode mesmo ser o mais prejudicado. Viseu, por exemplo, conhecido por ser o “cavaquistão”, era, por norma, um reduto laranja nos tempos de Cavaco Silva, mas o PSD tem vindo a perder força no distrito. Prova disso foram as últimas europeias, onde o PSD, com 30,66%, foi ultrapassado pelo PS em Viseu, com 32,5%. Antes, nas legislativas de 2015, o PSD, em coligação com o CDS, tinha tido 52%, com o PSD a eleger 5 deputados, e em 2011, concorrendo sozinho, teve 48,3% dos votos, elegendo igualmente 5 deputados. Agora, no processo de elaboração das listas, o PSD já só contava realisticamente com a eleição de três, no máximo, quatro deputados.

Na Guarda o cenário é semelhante: tradicionalmente com números perto da maioria absoluta, o PSD foi ultrapassado pelo PS nestas europeias, e, em 2015, coligado com o CDS, elegeu 2 deputados, quando antes, em 2011 tinha conseguido eleger 3 (de um total de 4 atribuídos).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpenela@observador.pt
Eleições na Madeira

Na Madeira /premium

Maria João Avillez

Que dizer do receio semi-escondido do PS de não ter maioria absoluta versus o sonoro alívio manifestado ontem pelo mesmo PS por a Madeira se ter livrado dessa praga horrível?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)