O presidente Jair Bolsonaro já estava debaixo de duras críticas por causa dos incêndios da Amazónia mas agora surge mais uma polémica com o presidente francês  e a sua mulher, Brigitte Macron. A Folha de São Paulo, no passado sábado (24 de agosto), publicou um comentário do presidente brasileiro a uma provocação feita por um apoiante seu na sua página de oficial de Facebook sobre a mulher de Emmanuel Macron.

O utilizador Rodrigo Andreaça comentou uma publicação onde Bolsonaro falava sobre o envolvimento francês na recente controvérsia sobre a Amazónia. Nesse comentário dá a entender que Macron tem inveja do presidente brasileiro porque a mulher do mesmo é mais nova. Na imagem vê-se uma foto de Bolsonaro com a sua esposa, Michelle Bolsonaro, e abaixo surge um retrato de Macron e Brigitte Macron. Ao lado das fotos dos casais, está escrito: “Entende agora pq Macron persegue Bolsonaro?”

O perfil de Bolsonaro respondeu à publicação deste Rodrigo Andreaça com a seguinte mensagem: “não humilha cara. Kkkkkkk”.

As relações entre Brasil e França atravessam um momento tenso e tudo começou por causa dos incêndios na Amazónia. Na passada sexta-feira o Eliseu disse que Bolsonaro mentiu ao assumir compromissos em defesa do ambiente na cúpula do G20, em junho, e isso inviabilizava a ratificação do acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul, concluído no mesmo mês.

Bolsonaro respondeu a Macron acusando-o de estar a incitar o ódio contra o Brasil e relembrou que o governante francês divulgou erradamente nas redes sociais a imagem de um incêndio na floresta amazónica de 2003. “Lamento a posição de um chefe de Estado, como o da França, se dirigir ao presidente brasileiro como mentiroso. Não somos nós que divulgamos fotos do século passado para potencializar o ódio contra o Brasil por mera vaidade. Nosso país, verde e amarelo, mora no coração de todo o mundo”, disse Bolsonaro.

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, replicou um vídeo no qual um youtuber chama o presidente Macron de “idiota”. O tweet de Eduardo, indicado para assumir a embaixada do Brasil em Washington, foi considerado uma grosseria sem precedentes.

Este é o segundo episódio de desavença com o governo francês em menos de dois meses. Em julho, Bolsonaro cancelou à última hora uma reunião com o chanceler francês Jean-Yves Le Drian e, no lugar desse encontro, fez uma transmissão em direto onde Bolsonaro aparecia no barbeiro a cortar o cabelo.