Rádio Observador

Petróleo

MNE britânico reúne-se com homólogos europeus para tentar salvaguardar acordo nuclear com Irão

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Dominic Raab, encontra-se com homólogos europeus para discutir como salvaguardar o acordo nuclear com o Irão e proteger o transporte marítimo em Ormuz.

O ministro britânico pretende reiterar o compromisso do Reino Unido em salvaguardar o acordo nuclear com o Irão para impedir o desenvolvimento de armas nucleares, no qual os EUA optaram por não participar

WILL OLIVER/EPA

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Dominic Raab, vai encontrar-se esta sexta-feira com homólogos europeus para discutir como salvaguardar o acordo nuclear com o Irão e proteger o transporte marítimo no estreito de Ormuz, foi anunciado esta sexta-feira.

Segundo o seu gabinete, Raab vai reunir-se em Helsínquia com os ministros dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, e alemão, Heiko Maas, e com a Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e Segurança, Federica Mogherini, à margem da reunião informal de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (‘Gymnich’).

O ministro britânico pretende reiterar o compromisso do Reino Unido em salvaguardar o acordo nuclear com o Irão para impedir o desenvolvimento de armas nucleares, no qual os EUA optaram por não participar.

As nossas discussões vão desenvolver o avanço das negociações positivas durante o G7 sobre o Irão, à medida que procuramos diminuir as tensões. O acordo nuclear é o único acordo sobre a mesa que impede o Irão de obter armas nucleares e vamos continuar a trabalhar juntos para incentivar o Irão a manter o acordo na íntegra”, disse Raab, citado num comunicado.

O governo britânico pretende angariar apoio internacional para reduzir a ameaça sobre o transporte marítimo no estreito de Ormuz, onde o Irão apresou em meados de julho um petroleiro sueco com pavilhão britânico, o “Stena Impero”, em retaliação contra a apreensão do petroleiro iraniano “Grace 1” pelas autoridades britânicas ao largo de Gibraltar.

Na quinta-feira, Federica Mogherini também falou do interesse da União Europeia (UE) em garantir a segurança e evitar tensões no estreito de Ormuz, no Golfo.

“Obviamente, temos todo o interesse em, primeiro que tudo, garantir a segurança e a estabilidade nas rotas marítimas mais próximas, o que inclui o estreito de Ormuz, e isso é claro, mas também temos interesse numa abordagem que evite a escalada de tensões e numa dinâmica colaborativa entre as partes daquela região”, declarou Federica Mogherini, à chegada à reunião informal dos ministros da Defesa da UE, na mesma cidade.

O estreito de Ormuz é um ponto de passagem estratégico para o comércio mundial de petróleo onde, em 2018, circularam diariamente cerca de 21 milhões de barris de petróleo, segundo a Agência de Energia norte-americana (EIA), o que representa cerca de 21% do consumo mundial daquele hidrocarboneto e um terço do que transita por via marítima no mundo.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) britânico adiantou que Dominic Raab pretende abordar na mesma reunião a situação em Hong Kong, onde desde junho se têm registado protestos populares contra a administração chinesa que resultaram em confrontos com a polícia.

O movimento pró-democracia reivindica a retirada definitiva das emendas à lei da extradição, a libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial, a demissão da chefe do Governo, Carrie Lam, e sufrágio universal nas eleições para chefe do Executivo e para o Conselho Legislativo (parlamento local).

“O Reino Unido continua a acreditar que o caminho a seguir é através de um diálogo pacífico e construtivo que respeite o alto grau de autonomia de Hong Kong”, enfatiza o comunicado do MNE britânico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)