Rádio Observador

Tecnologia

De que vamos à procura na IFA, a maior feira de tecnologia da Europa?

IFA não é um palavrão, é o nome da maior feira de eletrónica do consumo da Europa e arranca já esta semana. Do 5G a novos televisores e headphones, em 9 pontos saiba o que vamos procurar em Berlim.

Um dos voluntários da IFA a limpar o chão com um novo aspirador enquanto utiliza óculos de realidade aumentada. A IFA 2019 decorre de 6 a 11 de setembro

AFP/Getty Images

Em 2018, a grande surpresa da maior feira de tecnologia do mundo, a IFA (as siglas correspondem quase a um trava líguas alemão: Internationale Funkausstellung Berlin) foram as televisões 8K, mas não é por isso que este ano não há expectativa nem espaço para novidades. Há novos telemóveis dobráveis, eletrodomésticos que mostram que vivemos no futuro e até respostas para sabermos mais sobre conflitos entre os EUA e a China com novidades do 5G. Não conseguimos escrever sobre todas as marcas e empresa que vão estar presentes (na prática, a Apple deve ser a única tecnológica que não marca presença), mas deixamos o que nos vai roubar a atenção.

Antes de começar: O que é a IFA e por que é que afeta a minha vida?

A IFA é a maior concorrente direta da feira de tecnologia CES (Consumer Electronic Show), que se realiza em Las Vegas no início de cada ano e tem como objetivo mostrar as últimas novidades tecnológicas a distribuidores e clientes. Nos cerca de 160 mil metros quadrados que a feira ocupa, há de tudo: de máquinas de lavar a roupa a auriculares, não há aparelho que não tenha uma novidade ou possa ser testado.

A IFA ocupa praticamente todos os pavilhões do Messe, em Berlim.

Desde 1924 que o evento decorre em Berlim, no pavilhão de exposições Messe. Dezenas de milhares de pessoas vão percorrer este espaço de 5 a 11 de setembro (o evento só começa oficialmente a 6, mas dia 5 já abre para pré-apresentações). O que é aqui exposto, brevemente pode ser o produto que está a cobiçar para o Natal ou durante 2020.

No ano passado, foi assim:

Televisores maiores e com mais definição

De que andam à procura este ano? As televisões com imagem 8K – sim, ainda nem todos os canais estão em HD, quanto mais 4K, e já há televisões 8K — foi a principal novidade de 2018. Agora, este ano, com a tecnologia já no mercado, é altura de marcas como a Sony, Samsung, Philips, Grunding, TCL ou LG, entre outras, mostrarem o que fizeram com esta nova qualidade de imagem.

Este ano, não só devemos conhecer mais modelos, e mais baratos (as televisões 8K ainda custam mais do que um mês de renda em Lisboa, o que é muito), como novas funcionalidades: seja sincronização de luzes da sala com o filme que está a passar na televisão ou novas hipóteses de controlos por voz.

Smartphones com mais dobras e contradobras

Em fevereiro, no Mobile World Congress, em Barcelona, dissemos que a capital catalã dobrou os smartphones. Nem sete meses passaram e tanto a Samsung como a Huawei adiaram os lançamentos dos seus smartphones com ecrã dobrável – o Galaxy Fold e o Mate X, respetivamente. No caso da Samsung, a justificação pode ter sido evitar que um produto inacabado chegasse ao mercado, mas já no caso da Huawei, o adiamento teve a ver com toda a fase polémica que enfrenta (na altura, estivemos com o Mate X nas mãos e parecia estar já preparado para deslumbrar consumidores).

Contudo, mesmo com adiamentos, os ecrãs dobráveis estão aí, seja de novas marcas como a TCL (a dona da Blackberry e da Alcatel está a usar a IFA para lançar uma marca com o nome da empresa), quer seja pela expectativa de que a LG apresente também o seu primeiro smartphone dobrável. Este ano, não são só os frigoríficos e televisores que vão marcar a IFA, também há novos smartphones que não vão faltar de certeza, principalmente com ecrãs que se dobram e desdobram.

Algumas respostas para o futuro da Huawei

Os EUA, e outros países, afirmam que a empresa chinesa Huawei espia para o governo chinês. A gigante tecnológica nega. À volta disto, há uma guerra comercial que acabou por ligar o nome Huawei a uma palavra: incerteza. Incerteza que fez as vendas da Huawei descer a pique nos últimos meses e incerteza por não se saber se as empresas norte-americanas vão ter autorização para trabalhar com a chinesa. Contudo, isso não parece deixar a empresa tímida.

Apesar de não ter um papel tão proeminente na IFA este ano, é nesta feira que Huawei vai divulgar o novo processador que criou, à semelhança do que fez no ano passado. Se for como em 2018, pode apresentar também novos produtos para o mercado europeu, como os óculos que se ligam aos smartphones. Vamos estar atentos.

Teste, teste, som, som

O regresso das colunas de 1959 da Braun, como conta o What Hi-Fi ou o “maior evento da Sonos” (a mesma marca que, recentemente, lançou colunas candeeiro com o Ikea). Estas são apenas duas novidades que já sabemos que vão acontecer na IFA. Além disto, este ano marcam-se os 40 anos do Walkman, da Sony. Se, em 2018, os headphones canceladores de ruído 1000XM3 tiveram as principais atenções das novidades sonoras no evento, podemos esperar novidades da empresa japonesa.

Wearables para todo o corpo

Wearables significa “tecnologia que se veste” e não falamos só de smartwatches. Até hoje, até já vimos chapéus e carteiras de senhora com ecrãs embutidos. Na IFA, vamos andar com especial atenção ao que as empresas querem que vistamos para não precisarmos de andar sempre a tirar um telemóvel do bolso.

Robôs

Em 2018, a LG já nos tinha surpreendido com vários robôs a andar pela IFA. Este ano, seja desta marca ou da iRobot, ou novidades do Aibo, da Sony, ou do RoBoHon, da Sharp, entre tantas outras, há sempre robôs a andar por estas feiras (e não falamos só dos de cozinha, como a Bimby). Nestas feiras de tecnologia, estamos sempre à procura dos robôs de que Asimov escreveu em  “Eu, robô” (mas sem aquela parte de quererem controlar os humanos).

5G em todo o lado (até em eletrodomésticos)

O 5G continua a ser um dos temas da moda no mundo da tecnologia – e claro que é, a promessa é de que vai permitir ter todo o tipo de objetos conectados. Em 2018, já se falava muito das promessas desta tecnologias de comunicações que vai substituir o 4G. Contudo, com os primeiros smartphones 5G já mercado (até em Portugal, onde não há 5G), este ano não faltarão gadgets e eletrodomésticos que também querem aproveitar as vantagens de estarem ligados à rede. Quais são as vantagens de ter uma máquina de lavar que se liga à net? É isso que vamos perceber para podermos explicar melhor.

Portugueses ligados à tecnologia

Não é por estarmos numa feira na Alemanha que não se ouve falar português. Sejam startups ou empresas já mais consolidadas, queremos ver quem exporta mais do que “azeite, rolha e vinho”, como dizia em 2018 ao Observador Daniel Matias, sócio da Airfree, e se as “fases em que ser orgulhosamente português tinha um cariz negativo” continuam a ser só memórias más, como contava Joaquim Alves, presidente da Flama.

*O Observador está na IFA a convite da Sony.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)