Rádio Observador

Partidos e Movimentos

PNR quer acabar com “máquina trituradora” de impostos e rejeita coligações

529

O presidente do PNR propôs redução do IVA máximo e afirmou que coligações "estão fora de questão", comparando-se à Marine le Pen, em França, "[le Pen] de um lado e todo o sistema francês, do outro".

São ainda medidas do PNR o "combate à criminalidade, à corrupção", a revisão das "leis de imigração e nacionalidade e imigração descontrolada, a defesa da identidade, o combate à islamização" e a revisão da subvenção estatal atribuída aos partidos

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O presidente do Partido Nacional Renovador (PNR) propôs uma redução do IVA máximo para acabar com a “autêntica máquina trituradora de impostos” que é o Estado e afirmou que quaisquer coligações depois das eleições legislativas “estão fora de questão”.

“Portugal não se desenvolve mais porque este Estado, que é uma autêntica máquina trituradora de impostos, cai em cima de tudo quanto mexe”, vincou José Pinto Coelho, em entrevista à agência Lusa no âmbito das legislativas de 6 de outubro.

O também cabeça de lista por Lisboa considerou que a quantidade de impostos que os portugueses pagam “é absolutamente sufocante” e, por essa razão, o PNR propõe a redução da “taxa do IVA máximo para 19%”. Na opinião do dirigente partidário, esta “seria uma boa medida para reanimar o mercado e conferir as pessoas mais poder de compra”.

José Pinto Coelho sublinha também que é intenção do partido eleger pelo menos um deputado. “O nosso objetivo é entrar na Assembleia da República (AR), esse seria um bom resultado”, explicou, completando que “se isso não suceder, qualquer crescimento inequívoco [em relação a eleições anteriores]” já é positivo.

No entanto, as coligações estão fora dos planos do partido. “Não haveria a menor possibilidade de haver coligações”, vincou, uma vez que “há um fosso muito grande que separa a mundivisão do PNR com a mundivisão de todos os outros partidos”.

José Pinto Coelho sublinhou que as restantes forças políticas “de uma forma, ou de outra, entendem-se”, cenário que não se coloca em relação ao Partido Nacional Renovador por ser, “efetivamente, diferente de todos”. “Basta ver o que é em França. Marine Le Pen de um lado e todo o sistema francês, desde a extrema-esquerda ao centro-direita, do outro”, sustentou.

No entanto, o cabeça de lista por Lisboa assume a possibilidade votar, “pontualmente, algumas leis” com as quais o partido esteja de acordo, independentemente do partido que proponha o diploma.

José Pinto Coelho utilizou como exemplo da abertura do PNR a propostas de outras forças políticas, desde que vão ao encontro das bandeiras do partido, a questão da requisição civil durante a última greve dos motoristas de matérias perigosas. “O Governo foi crucificado por causa da questão da requisição civil. Nós apoiámos. O Governo não tinha alternativa”, explicou, acrescentando que é necessário rever e “restringir, claramente, o direito à greve e restringir o âmbito de atuação dos sindicatos, que se têm comportado como autênticos incendiários”.

Apesar de enaltecer esta decisão, José Pinto Coelho considerou que a governação socialista apoiada na maioria parlamentar à esquerda fez o país “apodrecer por dentro, sem manutenção” e “sem investimento”.

O nacionalista argumentou que o executivo liderado por António Costa “anda a empurrar com a barriga, anda a adiar os grandes problemas” de Portugal, antecipando que o país vai “dar um grande estouro” mais cedo, ou mais tarde. “Estou convencido de que este Governo está a cavar-nos um buraco muito fundo e os portugueses ainda não se aperceberam disso”, vincou.

São ainda medidas do PNR o “combate à criminalidade, à corrupção”, a revisão das “leis de imigração e nacionalidade e imigração descontrolada, a defesa da identidade, o combate à islamização” e a revisão da subvenção estatal atribuída aos partidos.

“Essa subvenção deve ser muito mais baixa, devia ser reduzida para um terço daquela que é hoje em dia e devia abranger todos os partidos [atualmente apenas abrange os partidos que tenham obtido pelo menos 50 mil votos nas eleições à AR]”, rematou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Para onde vai o sistema partidário? /premium

Paulo Trigo Pereira
105

Os velhos partidos só mudarão, e bem precisam, se se sentirem ameaçados. Os novos partidos são assim bem-vindos à competição política desde que inovem e respondam aos anseios dos portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)