O procurador de Estugarda impôs, na terça-feira, uma multa de 870 milhões de euros à Daimler, casa-mãe da Mercedes e da Smart, depois de várias dezenas de milhar de veículos com emblema da marca da estrela terem sido apanhados a emitir poluentes em excesso, face à legislação em vigor, de acordo com a Deutsche Welle. A Daimler optou por não contestar a decisão da justiça alemã, nem a multa.

A Autoridade Nacional dos Transportes alemã (KBA) detectou cerca de 684.000 veículos que excediam os valores máximos relativos aos poluentes. Segundo o procurador, a situação é devida a uma negligente supervisão, desde 2008, por parte do departamento da Daimler que gere a certificação de viaturas.

Além da multa, a Daimler tem vindo a ser forçada a melhorar o software com que os automóveis estão equipados, para reduzir as emissões e, com elas, o aquecimento global. Isto já obrigou ao recall de vários milhares de veículos na Alemanha, bem como em alguns dos restantes países europeus.

A Daimler anunciou que não vai apelar da acusação de “violação negligente dos deveres de supervisão”, informando ainda que a multa não vai impactar negativamente nos lucros a anunciar no 3º trimestre. O grupo alemão afirma que é do seu “maior interesse concluir todo este processo”, de acordo com a Deutsche Welle.