Esta quinta-feira foram revelados mais três casos de bebés que morreram após o nascimento e tinham sido acompanhados por Artur Carvalho, o obstetra que fez as ecografias a Rodrigo, o “bebé sem rosto”. Como avança o Correio da Manhã, Beatriz, Vicente e Afonso nasceram com malformações irreversíveis e os pais culpam o médico, que acusam de ter sido negligente.

Beatriz morreu aos seis meses e, conta a mãe, Vanessa, teve complicações logo no parto. Houve ainda uma tentativa de julgar o médico, mas o obstetra não foi condenado. Já Vicente viveu apenas duas semanas: 14 dias certos. A mãe viu o filho nascer sem a parte esquerda do coração. Ao todo, foram feitas quatro ecografias por Artur Carvalho. Nunca foram detetados problemas. O mesmo jornal escreve que a família ainda confrontou o obstetra, mas este mostrou-se indiferente.

Afonso é o terceiro caso referido e morreu quando tinha apenas meses. Nasceu com uma má formação no coração. Os pais ainda tentaram fazer uma reclamação no livro de reclamações da clínica Padre Cruz, em Almada. Contudo, o obstetra disse que não havia prova de um diagnóstico errado. Esta segunda-feira, já se sabendo a história de Rodrigo, os pais de Afonso apresentaram uma queixa no Ministério Público.

O nascimento de Rodrigo surpreendeu os pais. Nasceu no Hospital de São Bernardo, em Setúbal, a 7 de outubro, sem olhos, nariz e parte do crânio. A mãe tinha feito as três ecografias habituais com o obstetra, mas nunca tinha sido avisada da existência de qualquer malformação no bebé. Os pais só foram alertados para essa possibilidade numa ecografia 5D feita numa outra clínica especializada, realizada já depois dos outros três exames. Face ao resultado preocupante, os pais questionaram o médico Artur Carvalho que os seguia, mas este terá garantido que estava tudo bem e eles terão ficado tranquilos.

Os pais apresentaram queixa ao Ministério Público contra o médico Artur Carvalho e a PGR anunciou que já abriu um inquérito. Desde que o caso foi revelado, o Bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, pediu “desculpa aos portugueses” e iniciaram-se várias ações de fiscalização a clínicas como a Ecosado, na qual Rodrigo foi visto, que fechou.

O bebé Rodrigo, que tinha um prognóstico reservado, já consegue respirar e mamar sozinho. Na próxima segunda-feira, completará três semanas de vida.