[Alerta: as imagens podem ferir a suscetibilidade dos leitores mais sensíveis] 

Morreu um dos 18 cães que o cavaleiro tauromáquico João Moura terá maltratado — razão pela qual foi esta quarta-feira detido, avança a TVI. A Guarda Nacional Republicana (GNR) divulgou entretanto as fotografias dos animais, que surgem bastante magros, “subnutridos e sem condições de salubridade”. João Moura foi constituído arguido por suspeitas do crime de maus tratos e abandono de animais de companhia.

Os animais foram retirados ao dono assim que foram feitas as buscas e, de acordo ainda com a TVI, os cães pernoitaram num camião da GNR. Durante a noite, um acabou por morrer.

[Veja as fotografias dos animais encontrados divulgadas pela GNR]

3 fotos

Na sequência de uma investigação que se desencadeou depois de uma denúncia anónima, os militares da GNR “apuraram que os referidos cães se encontravam subnutridos e que não lhes eram prestados os devidos cuidados de bem-estar animal”. Esta quarta-feira, foram realizadas buscas à herdade do cavaleiro tauromáquico João Moura — “o que resultou no resgate de 18 cães por se encontrarem subnutridos e sem condições de salubridade” e na detenção do suspeito.

A associação protetora de animais Cantinho da Milú — que acolheu nove destes cães — divulgou entretanto na sua página do Facebook um vídeo dos animais, que é acompanhado por um comunicado. “Nove cães que independentemente da sua proveniência, precisam da nossa ajuda. A magreza e subnutrição são visíveis”, lê-se na publicação que já atingiu as 350 partilhas.

A associação sem fins lucrativos localizada em Setúbal adianta ainda que os animais “estão a ser cuidadosamente avaliados” pelo médico veterinário. Segundo detalha no comunicado, “os animais não estão, de momento, disponíveis para adoção”, nem podem “de momento receber visitas”, devido ao seu estado físico e emocional.

O detido foi constituído arguido e presente a um juiz para primeiro interrogatório, no Tribunal Judicial de Portalegre, tendo-lhe sido aplicada o Termo de Identidade e Residênciasegundo o Jornal de Notícias.

“Os animais foram recolhidos pela Câmara Municipal de Monforte, para receberem cuidados veterinários”, adianta o comunicado.

Logo após terem surgido as primeiras notícias da detenção, na quarta-feira, João Moura prestou declarações ao blogue O Farpas, tendo afastado a prática dos alegados mau tratos e considerado que “nem o caso é tão alarmante como o fizerem crer as primeiras notícias avançadas sobre o assunto”. “Tinha lá uns cães mais magros e alguém denunciou isso, mais nada”, afirmou, acrescentando:

“Agora vão instruir o processo e vai seguir para a frente. Já prestei as minhas declarações e estou em casa tranquilo e com a consciência tranquila. Não matei ninguém, não roubei ninguém, não tratei mal os meus cães, alguns estavam magros, mas não os tratei mal!”.

O crime de maus tratos a animais de companhia está previsto no Código Penal e é punido com pena de prisão até um ano ou com pena de multa até 120 dias. Caso os maus tratos provoquem “a morte do animal, a privação de importante órgão ou membro ou a afetação grave e permanente da sua capacidade de locomoção”, a pena sobe para prisão até dois anos ou pena de multa até 240 dias.