O veículo surpreendeu tudo e todos, esta sexta-feira, em Londres. Um autocarro escolar amarelo, ao estilo norte-americano, circulou em frente ao Palácio de Buckingham, residência oficial de Isabel II, com um cartaz referente à proximidade que o príncipe André mantinha de Jeffrey Epstein, protagonista de um caso de abuso e exploração sexual de menores.

Ao lado de duas fotografias do príncipe, que completou 60 anos na última quarta-feira, a mensagem: “Se vir este homem, por favor diga-lhe para ligar ao FBI e responder às perguntas que têm para lhe fazer”. A propaganda foi assinada pela advogada norte-americana Gloria Allred, advogada que várias fontes de acusação do caso de Epstein.

Stefan Rousseau/PA Images via Getty Images

Em causa está a cooperação do príncipe, enquanto amigo de Epstein, com a investigação levada a cabo pelo FBI, a qual nunca se verificou, apesar de as autoridades norte-americanas terem tentado ouvir André em interrogatório. O príncipe não terá respondido à tentativas de contacto dos serviços de investigação, uma postura que um advogado norte-americano designou como “cooperação zero”.

No mesmo dia em que o autocarro circulou pelas ruas de Londres, Allred organizou uma conferência de imprensa no Supremo Tribunal de Nova Iorque. A advogada apelou diretamente ao príncipe André para que este entrasse em contacto com o FBI e partilhasse a informação sobre tudo a que assistiu enquanto mantinha uma relação de amizade próxima com Epstein.

Gloria Allred, esta sexta-feira, no Supremo Tribunal de Nova Iorque © Kena Betancur/Getty Images

“Os meus clientes merecem a verdade. A justiça foi-lhes negada tantas vezes, durante tantos anos. Não haverá justiça sem a verdade. E não haverá verdade a não ser que o príncipe André pare de se esconder do FBI e do público. Isto é inaceitável”, reiterou a advogada. “Eu imploro-lhe. Faça o que é certo e pare de envergonhar a sua família — a rainha e as suas filhas. Se não fez nada de mal, então fale simplesmente com o FBI”, rematou.

Longe dos olhares do público e da imprensa, o segundo filho mais novo de Isabel II abandonou todas as funções públicas em novembro do ano passado. Por provar continua ainda o envolvimento de André no próprio crime. O príncipe foi acusado de abuso sexual por Virginia Giuffre numa altura em que esta tinha 17 anos.