As autoridades de saúde nacionais reconheceram esta segunda-feira que “qualquer pessoa” pode “considerar” a utilização das chamadas “máscaras comunitárias” ou “não-cirúrgicas“– que podem ser feitas, por exemplo, de algodão – “em espaços interiores fechados e com elevado número de pessoas“. Foi pela voz da ministra da Saúde, Marta Temido, que se ficou a conhecer uma parte da norma que será esta tarde, finalmente, divulgada e que vem na sequência de uma análise feita pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças, na semana passada, que olhou para os prós e contras dessa utilização.

Na conferência de imprensa desta segunda-feira, Marta Temido indicou que “de acordo com princípio básico da precaução em saúde pública e face à ausência de efeitos adversos associados ao uso de máscara, pode ser considerada a sua utilização por qualquer pessoa em espaços interiores fechados e com elevado número de pessoas”, como supermercados, lojas, transportes públicos, etc.

Esta tarde de segunda-feira essa norma deverá ser publicada, mas a ministra sublinha que “o uso de máscaras na comunidade constitui um complemento às medidas já recomendadas: a lavagem das mãos, etiqueta respiratória, distanciamento social e barreiras físicas”.

Com ou sem costuras, como fazer uma máscara em casa e que materiais são mais eficazes

A ministra frisou, também, que “a utilização deste tipo de equipamento deve ser meticulosamente realizada, e portanto há um conjunto de dispositivos de informação que estão preparados e também serão divulgados [hoje] sobre a colocação destes equipamentos”.

Neste momento, em que nos encontramos numa regra de confinamento, esta utilização é diferida no tempo. Neste contexto, diversas entidades como o Infarmed, o centro tecnológicas da indústria têxtil e vestuário de Portugal, vários peritos, a ASAE concluirão esta tarde as normas técnicas para a utilização das máscaras comunitárias e irão partilhá-las com a indústria”, diz Marta Temido.

Sobre a compra destas máscaras, Marta Temido falou agora numa “janela de oportunidade” para que o mercado “as possa desenvolver” entre o dia de hoje e o início do levantamento do confinamento.

Este foi um dos principais destaques da conferência de imprensa para análise do último boletim diário de acompanhamento da doença Covid-19 em Portugal, que deu conta de mais 31 mortos, 21 dos quais pessoas com mais de 80 anos. A ministra garantiu, também, que nos primeiros dias de abril (até 12), foram realizados mais testes do que em todo o mês de março. Desde 1 de março foram realizados quase 179 mil testes de diagnóstico, esclareceu a responsável.

A ministra da Saúde sublinhou, também, que “a generalidade” dos utentes que ligam para o SNS24 esperam 30 segundos para serem atendidos e, noutra área, garantiu que o país está a fazer tudo o que é possível para receber da China os ventiladores que estão encomendados e já estão pagos – estão a mover-se várias “influências” para acelerar esse processo.

Na conferência de imprensa desta segunda-feira, as autoridades de saúde esclareceram, também, que “nos próximos dias” haverá um plano para um começo de regresso à normalidade nas cirurgias (e outras intervenções) a doentes não-Covid, aquelas que tinham sido suspensas devido à pandemia. Os casos mais prioritários serão, disse a ministra, os primeiros a serem tratados, cabendo aos hospitais elencar o grau de urgência nessas operações.

Ainda assim, a ministra da Saúde mostrou satisfação por “o número de pessoas em cuidados intensivos estar a descer” nos últimos dias: “é um sinal encorajador, mas não podemos ficar totalmente tranquilos”. Graça Freitas, diretora-geral de Saúde, contrapôs que “os dados que nós temos indicam que ainda não foi atingido o máximo do nosso potencial” no serviço de saúde. Mas “não podemos ficar descansados com estes números. Estamos, de facto, num planalto e não houve necessidade de expandir a capacidade instalada, que tem sido, até à data, suficiente para dar a resposta”, salientou.

Onde as autoridades de saúde não deram muito mais informação foi sobre o eventual levantamento da cerca sanitária em Ovar, dizendo que querem ter a certeza que uma decisão dessas será uma “decisão no sentido correto”, tendo em conta os riscos epidemiológicos que, no entender das autoridades, ainda existem.

Mais 31 mortos em Portugal. DGS recomenda uso de máscaras em espaços fechados