O Centro Europeu de Controlo de Doenças (em inglês, ECDC) aconselhou o uso de máscaras a pessoas assintomáticas num relatório divulgado esta quarta-feira, quando até agora só tinha recomendado o uso de material de proteção individual a profissionais de saúde e doentes com sintomas da Covid-19, avança o jornal Público.

O ECDC recomendou o uso generalizado de máscaras como uma medida complementar, principalmente em espaços fechados, como supermercados, não substituindo o distanciamento social, a etiqueta respiratória ou a lavagem das mãos. No entanto, sublinhou que “o uso de máscaras faciais pelos profissionais de saúde deve ser uma prioridade sobre o uso da comunidade.”

Apesar de a Organização Mundial da Saúde já ter alertado que o uso generalizado de máscaras por pessoas saudáveis não é apoiado por provas científicas, o ECDC refere, de acordo com o Público, que o uso de máscaras em público minimiza as excreções de gotículas expelidas por pessoas infetadas que ainda não tenham sintomas e, assim, controla a propagação do novo coronavírus na comunidade. O organismo, contudo, deixa o alerta que “ainda não se sabe” se o uso de proteção individual diminui a transmissão.

Segundo o jornal, quanto às máscaras de tecido, o relatório adverte para a “eficiência de filtragem muito baixa” e menor eficácia, aconselhando campanhas educativas e sublinhando que estas podem ser usadas caso haja falta de máscaras cirúrgicas.