Três deputadas foram ameaçadas pela Nova Ordem de Avis – Resistência Nacional a abandonarem os cargos políticos e o país no prazo de 48 horas, caso contrário “serão tomadas medidas contra estes dirigentes e os seus familiares, de forma a garantir a segurança do povo português”. A ameaça consta num email enviado para a Associação SOS Racismo com uma lista de pessoas a quem se dirige a mensagem e que inclui as deputadas do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua e Beatriz Gomes Dias e a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira. O Bloco de Esquerda vai apresentar queixa ao Ministério Público.

No conteúdo do email, a que o Observador teve acesso, é ainda dito que “o mês de Agosto será mês da luta contra os traidores da nação e seus apoiantes. O mês de Agosto será o mês do reerguer nacionalista“. Na lista, além dos nomes das deputadas consta ainda o de Mamadou Ba, dirigente do SOS-Racismo, Danilo Moreira, Jonathan Costa, Rita Osório, Vasco Santos, Luís Lisboa e Melissa Rodrigues. Todos eles, ativistas anti-racismo, receberam a seguinte ameaça: “Foi atribuído um prazo de 48 horas para os dirigentes antifascistas e anti-racistas incluídos nesta lista, para rescindirem das suas funções políticas e deixarem o território português”.

A ameaça está já a ser investigada pela Polícia Judiciária, que foi informada pela associação SOS-Racismo da existência do email e também pelo Bloco, segundo apurou o Observador junto de fonte do partido. O BE está a formalizar uma queixa junto do Ministério Público.

No final do email constam apenas as iniciais “NOA-RN”, de Nova Ordem de Avis – Resistência Nacional, um grupo neonazi que reúne antigos militantes da Nova Ordem Social, do Partido Nacional Renovador e dos Portugal Hammer Skin. No passado fim de semana, terão sido membros deste mesmo grupo que estiveram em frente da sede do SOS-Racismo numa ação que diziam ser contra o “racismo anti-nacional”. A associação fez queixa ao Ministério Público esta semana.