Foram contabilizadas em 24 horas mais 5.290 pessoas infetadas pelo vírus SARS-CoV-2 e mais 71 vítimas mortais em consequência do novo coronavírus em Portugal.

Os dados surgem em mais um boletim diário relativo à evolução da pandemia da Covid-19 em Portugal, divulgado esta quarta-feira pela Direção Geral da Saúde. Com os novos dados, desde a chegada da pandemia ao país, em março, foram já ultrapassadas as 270 mil infeções (274.011) e as 4.100 mortes (4.127).

Também o número de doentes dados como clinicamente recuperados da infeção com o novo coronavírus voltou a aumentar significativamente nas últimas 24 horas: ao todo, 5.123 pessoas foram dadas como  recuperadas.

Menos internados, mas mais em cuidados intensivos

O número de pessoas internadas em hospitais portugueses, por sua vez, diminuiu em 24 horas. À meia-noite de esta quarta-feira, estavam internadas em unidades hospitalares 3.251 pessoas — entre entradas e saídas, são menos 24 do que à mesma hora do dia anterior, embora mais do que no mesmo dia da última semana (3.051).

O número de internados em unidades de cuidados intensivos, porém, aumentou: à meia-noite eram 517 os doentes alocados a estas unidades de saúde (onde são tratados os casos mais graves de Covid-19), mais 11 do que à mesma hora da véspera.

Portugal está com mais casos do que Espanha, um risco de transmissão maior que o de Itália mas é dos que têm menos internamentos

Achatamento da curva? É o 2.º dia seguido com menos casos do que na semana anterior

Um dos dados de maior relevo no número de casos confirmados nas últimas 24 horas, e que parece confirmar a tendência de início de achatamento da curva de infeções em Portugal, é este: o número de casos confirmados ao longo desta terça-feira (5.290) é inferior ao número reportado ao longo do mesmo dia da semana anterior (5.891).

O mesmo acontecera ao número de casos confirmados nas 24 horas anteriores a estas, ou seja, na segunda-feira (3.919, menos do que os 4.452 registados no mesmo dia da semana anterior).

Região Norte com 61% dos novos casos. Alentejo volta a crescer bastante (256 novos casos)

Outra tendência que se mantém é modo como a pandemia está a afetar de forma diferente regiões distintas do país. A região Norte continua a concentrar a maioria dos novos casos de infeção. Ao longo das últimas 24 horas, há registo de mais 3.224 infetados detetados nesta região do país — ou seja, 61% (61 em cada 100) dos novos casos em Portugal Continental e ilhas.

Portugueses não confiam na resposta do SNS. E só 10% dizem querer ser vacinados logo que haja vacina

Seguem-se no número de casos confirmados a região de Lisboa e Vale do Tejo, com mais 1.177 infeções confirmadas (22%), a região Centro com mais 506 casos (10%), o Alentejo com mais 256 casos (5%) e o Algarve com mais 81 infetados. Na Madeira foram confirmadas, ao longo das 24 horas de esta terça-feira, mais 30 infeções — e nos Açores mais 16.

A região do Alentejo mantém assim a tendência recente de aceleração do ritmo de crescimento da pandemia: com as 256 novas infeções, aumenta o total de infetados desde março para 5.576. Por comparação, Lisboa e Vale do Tejo soma desde o mesmo período mais de 90 mil infetados e a região Norte mais de 140 mil infeções.

Das 71 vítimas, 60 eram do Norte e Lisboa e Vale do Tejo, 10 do Centro e 1 do Alentejo

A quase totalidade das 71 mortes reportadas em Portugal ao longo desta terça-feira aconteceu nas regiões Norte e Lisboa e Vale do Tejo e Centro. Do total, 35 estavam na região Norte, 25 na região de Lisboa e Vale do Tejo e 10 na região Centro. Há ainda registo de mais uma morte no Alentejo.

Afinal, só 10% dos casos ocorrem comprovadamente nas famílias. Mais de 80% dos casos de Covid em Portugal são de origem desconhecida

Das 71 mortes, 61 foram de pessoas com 70 anos ou mais

Das 71 vítimas mortais infetadas com o novo coronavírus contabilizadas em Portugal ao longo das últimas 24 horas, só uma tinha menos de 60 anos e 61 tinham 70 anos ou mais. O cálculo é feito a partir dos dados da DGS.

Do total de mortos registados, 43 (20 homens e 23 mulheres) tinham 80 anos ou mais, 18 (11 homens e 7 mulheres) tinham entre 70 e 79 anos, 7 (5 homens e 2 mulheres) tinham entre 60 e 69 anos e 1 (um homem) tinha entre 50 e 59 anos.

Nas vítimas de idade mais avançada, com 80 anos ou mais, há assim mais mulheres, mas à medida que a faixa etária diminui a maioria das vítimas mortais passa a ser do género masculino.

Há quem os tema, quem vá à janela ou quem só atenda o telefone. Como trabalham os polícias que controlam os confinados