Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O regresso de Nicolas Sarkozy à política ficou praticamente posto de parte esta segunda-feira, depois de o ex-Presidente francês ter sido condenado a três anos de prisão por tráfico de influência e corrupção ativa. Sarkozy, que tem dez dias para recorrer da sentença, dificilmente terá de cumprir a pena de forma efetiva, numa cela, mas a sua condenação, conforme escreve o Le Figaro, foi uma autêntica “bomba política”, a pouco mais de um ano das eleições presidenciais em França.

A juíza Christine Méé concluiu que houve um “pacto de corrupção”, que remonta a 2014, entre Sarkozy, Presidente francês entre 2007 e 2012, o seu advogado na altura, Thierry Herzog, e o juiz Gilbert Azibert, no âmbito de um caso de suborno relacionado com a investigação a um financiamento ilícito da campanha eleitoral do ex-Presidente francês em 2007.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.