Obrigado por ser nosso assinante. Não se esqueça de subscrever a nossa Newsletter exclusiva dos bastidores.

O Governo está preparado para a possibilidade de retirar os cidadãos portugueses que estão neste momento na ilha de La Palma, no arquipélago das Canárias, onde o vulcão Cumbre Vieja entrou em erupção. Em comunicado enviado pelo Ministério da Administração Interna, o Executivo garantiu que está a acompanhar a situação em Espanha, incluindo “a evolução e deslocação da nuvem de fumo”, uma vez que as cinzas podem chegar ao arquipélago da Madeira.

A embaixada portuguesa em Madrid e o cônsul honorário de Portugal em Tenerife aconselharam os portugueses a que “estejam preparados para uma possível evacuação”. Em caso de necessidade, devem contactar o Gabinete de Emergência Consular através dos números +351 217 929 714 ou +351 961 706 472; ou o Cônsul Honorário de Portugal em Tenerife, através do email tenerife@consuladoportugal.es e do telefone +(34) 665 893 825.

O Governo “tem monitorizado a situação da comunidade portuguesa na ilha de La Palma, em particular nos municípios afetados pela erupção do vulcão Cumbre Vieja, e tem mantido contacto com as autoridades locais”. Os portugueses em La Palma estão aconselhadas a seguir as instruções das autoridades locais, incluindo o respeito pelos cordões de segurança estabelecidos pelas forças de segurança e proteção civil.

Lava já não deve chegar ao mar esta noite

A Marina Mercante tinha previsto que as lavas iam atingir o mar por volta das 20h, mas Miguel Ángel Morcuende, diretor técnico do Plano de Emergências Vulcânicas de Canárias (Pevolca), já descartou essa hipótese. Em conferência de imprensa, o especialista comunicou que a lava ainda está sobre o bairro de Todoque, a meio caminho da água.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A velocidade da lava está a diminuir e o próprio vulcão está a registar menos atividade. Mas “isso não indica um retrocesso na erupção”, avisou Miguel Ángel Morcuende. Neste momento, 24 horas após ter entrado em erupção, o Cumbre Vieja continua a expelir lava.

Zona de exclusão estabelecida num raio de dois quilómetros em torno do vulcão

O comité científico que assessora o Governo espanhol estabeleceu um raio de exclusão de dois quilómetros em torno dos centros de emissão e dos rios de lava do vulcão Cumbre Vieja, que entrou em erupção no domingo e que já provou a retirada de 5.000 pessoas das suas habitações. As autoridades pretendem “minimizar o impacto de piroclastos e a exposição a gases” na região, descreve o El País. A área de exclusão manter-se-á enquanto o vulcão estiver em erupção.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, chegou nesta madrugada a La Palma, no arquipélago das Canárias, onde fica o vulcão Cumbre Vieja. Depois de uma reunião de emergência, o líder do governo afirmou ter todos os meios ativados e que “o importante é garantir a segurança dos cidadãos de La Palma”, dizendo que é necessário estar em cima dos incêndios que podem ocorrer como resultado da erupção”.

A situação na zona de La Palma afetada pela erupção “é desoladora”, disse o presidente da ilha, Mariano Hernández Zapata. “Um fluxo de lava com uma altura média de seis metros está literalmente a devorar casas, infraestruturas e culturas a caminho da costa do vale do Aridane.”

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, tinha anunciado ainda na tarde de domingo que visitaria a ilha de La Palma, “para conhecer em primeira mão a situação, a coordenação do dispositivo e os protocolos ativados”, escreveu o primeiro-ministro no Twitter, onde anunciou também que adiaria a viagem aos EUA para assistir à Assembleia-Geral da ONU.

Vulcão nas Canárias. Autoridades preparam retirada de 5 a 10 mil pessoas das zonas mais expostas. Siga aqui

O mais importante é garantir a segurança dos cidadãos de La Palma. Gostaria de fazer uma menção especial à contribuição da ciência, mais uma vez, como foi o caso da tempestade Filomena na península no início do ano”, afirmou Sánchez depois da reunião com a comissão de crise do Plano de Emergência Vulcânica das Ilhas Canárias, citado pelo El País.

“Do ponto de vista da Proteção Civil, foi destacado pessoal suficiente para poder lidar com qualquer tipo de contingência. Estamos atentos aos incêndios que podem ocorrer como resultado da erupção. Temos tudo ativado.”

O primeiro-ministro espanhol realçou o trabalho da Cruz Vermelha no que diz respeito à alimentação e apoio psicológico aos cidadãos de La Palma que foram até agora retirados das suas casas. O vulcão ativo não provocou ainda nenhuma vítima mortal, mas terá já provocado danos em centenas de casas, segundo a rádio das Canárias, pelo que Sánchez garantiu também que qualquer dano material causado pelo vulcão será substituído “o mais rapidamente possível”.

Pedro Sánchez deixou claro que o governo agiu em conformidade e tem “todos os instrumentos e todo o pessoal” destacado — Guarda Civil, Polícia Nacional, bombeiros e Unidade Militar de Emergência — para que os cidadãos possam estar “descansados”.

Até agora foram retiradas cinco mil pessoas não estando previstas mais evacuações. “O primeiro grande alívio é que a erupção foi numa área despovoada e todas as evacuações tiveram lugar. Não é previsível que mais ninguém tenha de ser retirado”, afirmou Ángel Víctor Torres, presidente do governo regional das Canárias. “A lava está a deslocar-se em direção à costa e, neste sentido, os danos serão materiais. Segundo os peritos, existem cerca de 17 a 20 milhões de metros cúbicos de lava.”

Torres afirmou ainda que não deverá haver novos pontos de erupção, apesar da possibilidade de se criar uma nova fissura, mas que “a segurança pública está garantida.”

Já na manhã desta segunda-feira, Ángel Víctor Torres disse que o vulcão irá expelir metade da quantidade de lava que Teneguía tinha, mas que era necessário esperar para acompanhar a evolução. “Vai haver danos materiais significativos, esperamos que não haja danos pessoais”, referiu citado pelo El País.

Espanha. Há 50 anos, houve medo e filas de carros para ver o espetáculo do vulcão Teneguía

As cinzas são agora um perigo e podem chegar à Madeira

O vulcão que este domingo nasceu na zona de Cabeça de Vaca, no município de El Paso, tem duas fissuras com 200 metros de distância, através das quais o material vulcânico sai de oito bocas. “A área está totalmente evacuada, é segura para as pessoas, mas não para as infra-estruturas. As cinzas são um perigo acrescido, mas isto é difícil de controlar”, referiu Sergio Javier Rodríguez Fernández, presidente da câmara de El Paso. “A maioria das pessoas retiradas estão num quartel em Peña Baja, mas antes disso foram para o campo de futebol em Los Llanos para fazer uma triagem, para ver quem conseguia lidar com isso por si próprio, e quem não conseguia”.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê que as “cinzas vulcâncias e outros compostos químicos, como CO2 e SO2” possam chegar à Região Autónoma da Madeira, mas que como o vento predominante é do quadrante norte “não deverá corresponder a uma situação crítica”, segundo um comunicado do instituto.

O vulcanólogo Joan Martín, diretor do grupo de Geociências de Barcelona do Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), disse à agência Efe que a erupção pode vir a durar, no máximo, alguns meses. Martín afirma que se trata de uma erupção estromboliana, com magma que não evoluiu muito, sendo que o maior problema poderá estar nos gases libertados que podem ser derivados do enxofre e CO2, causando problemas respiratórios.

As imagens da erupção do vulcão Cumbre Vieja, de La Palma

Berta Nunes, ​​Secretária de Estado das Comunidades, confirmou à Rádio Observador que existem oito portugueses em La Palma, e que se encontram todos bem. “O que confirmamos é que embora existam oito portugueses registados na zona até ao momento nenhum deles terá ainda necessitado de ajuda”, refere. Berta Nunes garante que o gabinete está a acompanhar de perto a situação e que está disponível para ajudar a qualquer pedido que surja. Para já, não há informação sobre se algum dos portugueses faz parte das cerca de cinco mil pessoas que foram retiradas de suas casas.

“8 portugueses identificados em municípios na zona do vulcão”, garante secretária de Estado das Comunidades

O primeiro-ministro português António Costa enviou no domingo à noite uma mensagem de solidariedade ao seu homólogo espanhol e manifestou a disponibilidade de Portugal para fornecer apoio. A mensagem de António Costa ao presidente do Governo de Espanha foi divulgada à agência Lusa por fonte oficial do gabinete do primeiro-ministro.

Para “acompanhar a situação” em La Palma, a União Europeia ativou também o Programa de Observação da Terra da União Europeia – Copernicus. A informação foi avançada pela presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, que adiantou que Bruxelas está “em contacto com as autoridades espanholas para prestar apoio adicional, se necessário”.

“Estamos com toda a população das Ilhas Canárias na sequência da erupção do vulcão em La Palma”, escreveu a responsável, numa publicação no Twitter.

O Copernicus, que tem sempre de ser ativado a pedido dos países da UE, faculta serviços de informação baseados na observação por satélite e de sistemas de medição terrestres, aéreos e marítimos destinados a ajudar os prestadores de serviços e autoridades públicas, neste caso, a Proteção Civil espanhola.

Atualizado com a possibilidade de chegada de cinzas à Madeira e com o número de casas atingidas, às 9h50