O que terá provocado a extinção dos mamíferos gigantes que dominaram o Pleistoceno, entre há 2,5 milhões de anos e 12.000 anos, depois da última grande Idade do Gelo, é uma das perguntas que intriga os investigadores há décadas. Agora, o rico registo fóssil de Rancho La Brea, no sul da Califórnia, dá pistas sobre o papel dos grandes incêndios na extinção da megafauna — ao mesmo tempo que lança um alerta sobre o impacto que os incêndios atuais, cada vez maiores e mais intensos, podem ter na biodiversidade. Os resultados foram publicados na revista científica Science.

O betume natural de Rancho La Brea preservou os esqueletos de milhares de indivíduos de várias espécies que ocuparam a região durante o Pleistoceno. Preservou também, em muitos casos, o colagéneo desses ossos, o que permitiu a datação por radiocarbono dos fósseis — ou seja, permitiu determinar a antiguidade dos fósseis usando o isótopo radioativo carbono-14. A equipa coordenada pelos Museus de História Natural do Condado de Los Angeles conseguiu datar 172 indivíduos de oito espécies que viveram há 10 a 15,6 mil anos — sete dessas espécies extinguiram-se nesse período.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.