Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A 4 de fevereiro de 2016, a Reserva Federal de Nova Iorque começou a receber ordens através do SWIFT, o sistema que os bancos usam para comunicarem entre si, para transferir dinheiro das contas geridas pelo Banco Central do Bangladesh para vários bancos, empresas e fundações espalhadas pelas Filipinas e o Sri Lanka. À quinta ordem, começaram a surgir suspeitas. No Sri Lanka, um funcionário do Pan Asia Bank reparou que havia uma transferência com um valor demasiado elevado – 20 milhões de dólares – e que o nome do destinatário estava mal escrito : em vez de Foundation (Fundação) estava escrito Fandatian. Algo não batia certo. De imediato, contactou o Deutsche Bank, o banco que estava responsável por efetivar a operação, que também achou os detalhes suspeitos e avisou a Reserva Federal de Nova Iorque.

Apesar dos alertas, a Reserva Federal de Nova Iorque já tinha a transferência. O Pan Asia bloqueou o dinheiro e não o deixou sair para o seu destinatário, a Shakila Foundation, uma organização não-governamental. O que o funcionário do Sri Lanka não sabia é que a transferência que tinha acabado de bloquear fazia parte do maior roubo de sempre a um banco.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.