O Governo recusa dizer qual é o limite do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no que diz respeito ao aumento de casos de Covid-19, apesar de haver exemplos de vários países que avançam estas estimativas. Se esses dados existem, será o Ministério da Saúde a tê-los, mas, apesar da insistência do Observador, não os divulga.

Ainda esta segunda-feira, numa conferência de imprensa convocada em cima da hora, a ministra da Saúde avançou que Portugal deverá chegar aos 2.634 internados em enfermaria e 444 em unidades de cuidados intensivos a 4 de novembro. Disse que a situação era “grave” e “complexa”, mas em nenhum momento falou em estimativas que apontem para quando poderá a capacidade máxima ser atingida ou a partir de quantos internamentos por Covid-19 o sistema fica em risco de colapso, sem poder garantir a assistência da população a 100%.

Marta Temido garantiu que haverá capacidade de resposta quando chegar o cenário previsto para 4 de novembro, mas e se os números continuarem a aumentar? Afinal, quanto é que aguenta o SNS? A partir de que número de internamentos entra em rutura?

Marta Temido alerta que estado da pandemia em Portugal “é complexo” e “grave”

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.