Esta manhã saiu de casa para ir trabalhar e chamou o elevador que o levou até ao rés do chão. Poucos minutos depois, apanhou o autocarro. Antes de entrar no escritório, passou pelo supermercado para comprar uma garrafa de água e mais meia dúzia de coisas. À hora de almoço, após uma ida à casa de banho, partilhou a copa com os seus colegas. Mais tarde, terminado o dia de trabalho, deu um breve passeio pelo jardim. E só então regressou a casa.

Foi um dia longo de trabalho em tempos difíceis de pandemia viral. Respira de alívio quando coloca a chave de casa na fechadura, porque cumpriu à risca todas as medidas impostas pelo estado de emergência decretado pelo Presidente da República na quarta-feira. Até lavou as mãos e desinfetou-as ao longo do dia, tal como a Direção-Geral da Saúde aconselha. Dever cumprido. Pode sentar-se no sofá e relaxar.

Agora pare e pense. Desde que acordou até regressar a casa, carregou em dezenas de botões, tocou em vários produtos no supermercado, partilhou os objetos do escritório com os seus colegas de trabalho e andou pela rua com os mesmos sapatos com que entrou em casa, foi até à casa de banho e entrou no quarto. A roupa que vestiu lá fora durante 12 horas é a mesma com que se sentou no sofá para um breve descanso.

Tem a certeza de que, quando abriu a porta de casa, não a estava a abrir também ao novo coronavírus?

É difícil ter a certeza. A Direção-Geral da Saúde resume as medidas de prevenção em cinco pontos: cumprir as regras de etiqueta respiratória, lavar as mãos frequentemente, evitar o contacto próximo com pessoas, evitar tocar na cara com as mãos e não partilhar objetos pessoais ou comida. Se cumprir estes tópicos, já fez a sua parte para evitar o contágio e a propagação pelo SARS-CoV-2.

Mas o Hospital de São João vai mais longe e, num cartaz publicado esta semana, diz que as casas deviam ter uma “zona potencialmente contaminada” e uma “área descontaminada”. Na primeira, à porta de casa, ficam os sapatos que usou na rua, a roupa que vestiu durante o dia e um desinfetante para as mãos. Tudo isso pode estar contagiado com o novo coronavírus, sugere o hospital. Na segunda área, estão os chinelos limpos com que deve circular por casa e tudo o que não estará contaminado.

Afinal, como deve alguém proteger-se o melhor possível desta ameaça? O que pode um cidadão fazer quando vai ao supermercado, vai passear o cão ou levar o lixo? E quais são as regras mais sensatas para entrar e sair de casa sem o perigo de a contaminar? Fizemos estas perguntas a Guilherme Duarte, médico de saúde pública na Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Descobrimos as respostas. E uma certeza: o risco de ser contagiado pelo SARS-CoV-2 nunca será zero.

Quando está dentro de casa

Lave as mãos o mais frequentemente possível com água e sabão.

Evite tocar no rosto o mais que puder.

Desinfete regularmente e o mais extensamente possível as superfícies de grande exposição com um detergente com lixívia — ou seja, aquelas que utiliza todos os dias, como os teclados do computador, as maçanetas das portas ou as mesas, por exemplo.

Se tiver crianças pequenas, sobretudo bebés que gatinham pela casa, desinfete também o chão, apesar de ser uma superfície que é de baixa exposição.

Limpe cuidadosamente e mais frequentemente o hall de entrada de sua casa.

[Como se proteger, dentro e fora de casa: um manual animado]

Quando está a entrar ou a sair de casa

Utilize um lenço para rodar as maçanetas das portas ou limpe-as com uma toalhita desinfetante antes de tocar nelas, principalmente quando podem ser utilizadas por muitas pessoas — como a porta de um prédio ou de um apartamento; ou as maçanetas das portas interiores da habitação.

Sempre que possível, se não puder desinfetar as maçanetas ou utilizar um lenço de papel para não tocar diretamente na porta, empurre-a com as costas ou com o braço.

Caso necessite de utilizar o elevador, clique nos botões com o cotovelo, utilize um lenço de papel ou passe uma toalhita desinfetante nos botões antes de carregar neles.

Assim que entrar ou sair de casa, lave as mãos com água e sabão ou desinfetante.

Crie uma “zona potencialmente contaminada” no interior da sua casa, no hall de entrada, para o caso de se ter cruzado com alguém que possa ter espirrado ou tossido para cima de si. Deposite nesse espaço os sapatos e a roupa que utilizou na rua e que possam estar contagiados com o novo coronavírus.

Crie também uma “zona descontaminada” com calçado e roupas complementares que possa utilizar dentro de casa sem perigo de contágio. Caso considere necessário — por exemplo, se utilizou transportes públicos ou outros espaços com uma maior aglomeração de pessoas — tome um banho.

Atenção: a regra é fazer uma avaliação do risco, porque não basta andar pela rua para ser contaminado pelo novo coronavírus. Estas medidas são necessárias apenas se se tiver cruzado com alguém na rua ou se tiver tocado numa superfície onde outra pessoa já tenha tocado anteriormente (por exemplo, caso se tenha encostado a uma parede). Podem ser desprezadas caso não tenha visto ninguém, tenha a certeza que ninguém espirrou ou tossiu junto a si ou que ninguém o tocou após tê-lo feito.

Lave a roupa normalmente, mas na maior temperatura que o tecido suportar. Deixe os sapatos na entrada de casa e, se considerar necessário — o risco de ficar infetado por causa dos sapatos é mínimo —, desinfete-os com toalhitas.

Quando está a utilizar os transportes públicos

Ao sentar-se nos bancos de um meio de transporte público, evite o mais que puder o contacto da pele com as superfícies.

Caso tenha de viajar em pé, evite ao máximo tocar nas pegas ou nos varões de apoio.

Mantenha uma distância de pelo menos um metro e meio das outras pessoas. Caso isso não seja possível, apanhe o metro ou o autocarro seguinte.

Desinfete muito bem as mãos quando voltar ao exterior e não toque no rosto enquanto não o fizer.

Quando está no trabalho

Exija ao seu chefe que os procedimentos de higienização e desinfeção do seu local de trabalho sejam redobrados.

Quando utilizar a casa de banho ou a copa, toque nas superfícies (como o autoclismo ou uma torneira) com um lenço ou desinfete-as com uma toalhita. Caso isso não seja possível, lave as mãos logo a seguir.

Caso utilize pratos, talheres e copos partilhados por todos os trabalhadores, e se a empresa assim o permitir, lave esse material numa máquina para a loiça em alta temperatura.

Se a empresa não tiver máquina para lavar a loiça, não utilize pratos, talheres e copos partilhados. Cada funcionário deve utilizar a sua própria loiça, sem nunca dividir com outras pessoas ou deixá-la exposta. Lave esse material com água o mais quente possível.

Quando está a fazer compras

Mantenha uma distância de pelo menos um metro e meio dos outros clientes.

Lave as mãos assim que terminar de fazer todas as suas compras. É impossível garantir que não infetou qualquer objeto ou que foi infetado por ele ao manuseá-lo. Dificilmente conseguirá desinfetar as mãos ou os objetos, produto a produto.

Evite pagar a conta em dinheiro e prefira os cartões com o serviço contactless.

Caso o seu cartão não tenha o serviço contactless e a loja não tiver um funcionário responsável por limpar o terminal multibanco após cada utilização, clique nos botões com um lenço de papel ou passe um desinfetante antes de o utilizar.

Quando vai ajudar um familiar num grupo de risco

Siga as mesmas regras recomendadas para quando entra e sai de casa, mas com uma cautela ainda maior.

Se necessitar de entrar em casa desse familiar, sempre que possível, troque de roupa e de calçado à porta.

Desinfete as mãos e as superfícies mais expostas onde possa tocar quando entrar em casa.

Utilize uma máscara para garantir que não transmite gotículas com carga viral para o seu familiar, que estará mais fragilizado.

Mantenha uma distância de pelo menos um metro e meio das outras pessoas.

Garanta que o seu familiar tem a medicação e produtos alimentares que necessita.

Coloque ao alcance dessa pessoa um telefone que possa utilizar para entrar em contacto consigo em caso de necessidade.

Quando está fora de casa com crianças

Evite a utilização de parques infantis (como baloiços ou escorregas).

Certifique-se de que a criança não toca em superfícies partilhadas, como paredes ou bancos de jardim. Caso isso não seja possível, desinfete esse material antes de a criança a utilizar.

Não permita que a criança brinque no chão.

Evite que a criança se afaste de si para brincar com outras crianças; ou que estejam demasiado perto de outros adultos, nomeadamente idosos.

Seja parcimonioso com os afetos.

Desinfete regularmente as mãos das crianças e dê-lhes instruções para que não toquem no rosto.

No regresso a casa, siga os mesmos procedimentos que os adultos no que toca à remoção da roupa e do calçado.

Quando vai passear o cão

Siga as mesmas regras indicadas para entrar e sair de casa.

Quando regressar a casa, desinfete as patas do seu animal de estimação.

Mantenha alguma distância do seu animal de estimação. Mesmo que não seja infetado pelo novo coronavírus — segundo as orientações da OMS, não há evidências de que isso possa acontecer —, podem transportá-lo no pêlo e levar o agente patogénico para dentro de casa.

Quando vai fazer exercício físico na rua

Evite tocar no chão ou em paredes.

Se utilizar equipamentos municipais, limpe os objetos com uma toalhita desinfetante antes e depois do exercício.

Desinfete as mãos antes e depois de utilizar esses equipamentos.

Se se sentar num banco de jardim, evite tocar nele. Caso o faça, lave as mãos com água e sabão ou com desinfetante.

Quando tiver uma consulta no médico

Não se aproxime de pessoas que estão doentes.

Tenha atenção para não entrar nos percursos delineados nos consultórios, hospitais e centros de saúde para os casos suspeitos de infeção pelo novo coronavírus.

Desinfete as mãos se tocar em superfícies partilhadas, como máquinas para retirar senhas ou balcões de atendimento.

Quando está a jantar com a sua família

Caso a habitação esteja equipada com uma máquina, a loiça da família pode ser partilhada entre os seus membros. Caso não haja máquina de lavar loiça, o melhor é cada um utilizar os seus próprios objetos e lavá-los à mão com água o mais quente possível.

Desde que se mantenha a higiene das mãos e se sigam as regras de etiqueta respiratória, podem partilhar-se também outros objetos, como um jarro de água, a saladeira ou a tenaz.

Deve evitar-se que a comida seja confeccionada ou partilhada por quem saiu de casa para trabalhar e pode ter estado exposto ao novo coronavírus.

Evite partilhar pacotes de batatas fritas ou de pipocas, por exemplo. Mas, caso a família inteira esteja em isolamento e tenha seguido as regras de lavagem das mãos, isso não constituirá problema.

Quando vai dormir

Antes de entrar na cama, lave o rosto e as mãos uma última vez.