814kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Imigração e extrema-direita alimentaram choque a dois entre Temido e Bugalho

João Oliveira ficou isolado na Guerra da Ucrânia, Tânger Corrêa acabou acusado de "incoerência". Mas foi o duelo a dois entre Marta Temido e Sebastião Bugalho que aqueceu o debate desta noite.

O debate a quatro desta terça-feira, na RTP, acabou num fogo cruzado entre todas as partes, com Sebastião Bugalho e Marte Temido a acabarem envolvidos numa troca de acusações sobre as políticas de imigração — que se estendeu para lá do fim do debate, com ambos a ficarem à mesa a continuarem o diferendo –, Tânger Corrêa enredado numa confusão (que o próprio criou) sobre em que família política afinal está mais confortável o Chega e João Oliveira isolado e atacado por todos os lados sobre Ucrânia.

O debate começou com os cabeças de lista de AD, PS, Chega e CDU a serem confrontados com a mais recente sondagem da RTP, que aponta um empate técnico entre as duas maiores forças. Mas quase nenhum candidato quis prender-se aos números, com exceção para Sebastião Bugalho que os aproveitou para se mostrar “satisfeito”: “Esta sondagem já supera as minhas expectativas”.

Temido tinha chutado o assunto para canto, preferindo dramatizar a eleição tendo em conta o contexto Europeu de guerra no seu território. João Oliveira também recusou fazer “métricas entre eleições”. E Tânger Corrêa foi pelo mesmo caminho, dizendo que “sondagens são sondagens” e que o Chega “começou assim nas últimas legislativas e acabou de outra maneira”. Depois prendeu-se em justificações sobre a futura presença de André Ventura em campo nestas campanha (numa altura em que se prepara isso mesmo, muito por causa da sua prestação em entrevistas debates): “Eu não sou uma figura tão conhecida como os meus colegas de painel”.

Extrema-direita: o primeiro embate entre Temido e Bugalho

Os candidatos também foram confrontados com o peso que dão ao cumprimentos do valores democráticos pelos estados membros e o tema serviu a Marta Temido para aproximar a AD da direita conservadora, ao dizer que “Von der Leyen admite parcerias com forças políticas” da direita radical e que “a AD parece viver bem com isso”. A candidata ainda acrescentou que a  AD que “tem no seu seio partidos que são anti-europeístas e que querem referendar a permanência na UE”, falando do PPM: “Não são projetos de direita tradicional que convivem bem com a extrema direita que nos levam a resolver os problemas”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O assunto incomodou Bugalho, que, do outro lado da mesa, disse que “a extrema-direita ameaça a Democracia”, acrescentando: “Mas a AD não pode aceitar lições de moral da parte do PS. Os socialistas na Europa votaram juntos 37% das vezes no último mandato”. O cabeça de lista da AD tinha acabado de ser cauteloso sobre o uso de sanções severas para estados membros que violem o Estado de Direito. “Expulsar só num caso absolutamente limite”, defendeu argumentando com o contexto de guerra: “Seria quase autofágico a Europa dividir-se por dentro para responder à guerra de Putin”.

João Oliveira, da CDU, surgiu pelo meio da contenda entre Temido e Bugalho para dizer que
“é importante que haja quem dê combate à extrema-direita”, mas que isso não se faz com esforços retóricos, e muito menos com alianças como aquelas que se fazem na Holanda”, atirou, referindo-se à coligação de direita que apoia atualmente o governo neerlandês.

Já o candidato do Chega defendeu-se nesta frente afastando o seu partido da classificação de extrema direita. “É profundamente errada“, afirmou Tânger Corrêa, que garantiu repudiar de “ideologias caducas que estão mais perto do PCP”. O embaixador disse ainda que o Chega “é um partido conservador e que não é a favor de Putin”. Ouviu Bugalho atirar-lhe que, se se classifica como conservador, então devia mudar de família política.

O candidato do Chega enredou-se num novelo de palavras sobre eventuais negociações depois das eleições “para aumentar a base de apoio à base conservadora onde o Chega se insere e onde se vai inserir no futuro” ao mesmo tempo que não excluiu a junção das duas famílias: Identidade e Democracia e Conservadores. Ou talvez não: “Não excluo, o que não quer dizer que considero”. Já em entrevista ao Observador, Tânger tinha admitido mudar de família europeia.

A guerra na Ucrânia voltou a deixar João Oliveira isolado. O candidato comunista insistiu que os ucranianos estão a ser "usados como carne para canhão". Sebastião Bugalho acusou-o de querer a "vitória da Rússia", Marta Temido disse que a "posição era indefensável" e Tânger Corrêa defendeu que a prioridade era apoiar a Kiev

Nas prioridades, Temido chocou com Bugalho e Oliveira com Tânger

A determinada altura do debate, os candidatos foram desafiados a eleger as prioridades dos respetivos mandatos e que comissões pretenderiam integrar no Parlamento Europeu. Arrancou Bugalho, elegendo os Assuntos Externos e os Assuntos Constitucionais, por causa da questão do alargamento, como objetivos do seu mandato. Logo de seguida, Temido escolheu os Assuntos Sociais, dentro dessa grande pasta a Habitação e as políticas para a Juventude. E foi aí que o caldo entornou, quando o candidato da AD provocou a socialista: votará ou não a favor da inclusão da Habitação como direito na Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, como pretende a coligação PSD/CDS.

Na resposta, a antiga ministra da Saúde recordou as posições assumidas no passado pela família política onde se inclui Sebastião Bugalho e defendeu que nada do que defende o independente fará qualquer diferença em matéria de Habitação Pública. “O que é que isso resolve?”, foi provocando a socialista, num dos momentos mais quentes do debate, em que era praticamente impercetível o que ambos os candidatos tentavam dizer.

Na vez de João Oliveira, o comunista não só tentou colar PS e PSD na falta de respostas que vão sendo dadas, à escala europeia, em matéria de Habitação, como elegeu o Emprego e os Assuntos Sociais como prioridades dos eurodeputados comunistas. Às várias provocações de Sebastião Bugalho para se pronunciar sobre a bandeira do PCP em matéria de pertença ao Euro, o cabeça de lista comunista não recuou: “É preciso que o país se prepare para a libertação do Euro. Mas, até lá, há muita coisa para fazer.”

Ora, seguiu-se Tânger Corrêa, que não fugiu ao guião do Chega: “Agricultura e Pescas, luta anti-corrupção e imigração”, priorizou o embaixador, antes de explicar: “Queremos uma reformulação da Política Agrícola Comum para apoiar os pequenos e médios agricultura. Somos contra o Pacto Migratório porque ataca a soberania dos países. E, não acusando nenhum dos outros partidos, sabemos que existem bastantes casos da corrupção. A corrupção é o pior cancro que existe.”

João Oliveira não se ficou: “Há limites para incoerência”, atirou o ex-deputado comunista recordando que em Bruxelas o Chega defende a luta anti-corrupção, mas “cá em Portugal impede uma comissão de inquérito à Vinci”; dentro de fronteiras, divide entre imigrantes e portugueses, lá fora admite regras diferentes para os vários Estados-membros. “Como é que esse discurso bate certo com o que dizem cá? Não tente enganar os portugueses”, rematou o comunista.

Imigração pôs todos contra todos

De resto, o tema da imigração acabou por provocar outro bate boca entre os quatro candidatos. Sebastião Bugalho começou por assumir que a Aliança Democrática tudo fará para alterar as regras do Pacto Migratório, nomeadamente para combater as “redes de tráfico”, pelo alargamento “dos mecanismos de imigração legal” e pelos “consensos construtivos”. Como exemplo, o candidato independente elegeu a alteração da diretiva “Blue Card”, que estabelece as condições de entrada e residência de cidadãos altamente qualificados e países fora da UE, para baixar o nível salarial dos requerentes destes vistos.

Marta Temido não se ficou e acusou Bugalho de querer defender apenas “aqueles imigrantes mais qualificados”, fechando as portas a todos os outros. Mais um momento em que a troca de acusações subiu de tom e que tornou impercetível os argumentos de parte a parte – neste e noutros momentos, Bugalho acusou a socialista de faltar à verdade e Temido acusou o candidato da AD de estar a tentar “enganar” os portugueses.

Tânger Corrêa, por sua vez, tentou balizar as posições do Chega sobre esta matéria, dizendo que a Europa deve priorizar os “seus cidadãos e depois os de fora da Europa”, recusando “uma Europa de portas escancaradas” e lembrando que existem já “40% de portugueses no limiar da pobreza”.

Acusando o Chega de ter um discurso que coloca imigrantes contra portugueses, João Oliveira defendeu que é importante que o país garanta o “acolhimento de imigrantes com condições” e rematou: “Portugal deve fazer um investimento nas condições que são necessárias para acolher imigrantes”.

Na imigração, Temido acusou Bugalho de querer defender apenas “aqueles imigrantes mais qualificados”, fechando as portas a todos os outros. Mais um momento em que a troca de acusações subiu de tom e que tornou impercetível os argumentos de parte a parte – neste e noutros momentos, Bugalho acusou a socialista de faltar à verdade e Temido acusou o candidato da AD de estar a tentar “enganar” os portugueses. 

Ucrânia deixou João Oliveira isolado

Mais uma vez, e à semelhança do que já aconteceu noutros debates, o candidato comunista acabou por ficar isolado nas suas posições sobre a guerra na Ucrânia. O mote eram as recentes declarações do Almirante Gouveia e Melo sobre o conflito – “Vamos morrer onde tivermos de morrer para defender a Europa”.

João Oliveira não o poupou e juntou o militar ao conjunto de personalidades e dirigentes europeus que, diz, estão a tentar criar um “ambiente de preparação para a guerra”. “Temos de interromper esse caminho que não serve a ninguém”, disse, defendendo um “cessar fogo imediato” na Ucrânia lembrando até a posição do Papa Francisco.

Bugalho, que já antes se tinha demarcado das declarações de Gouveia e Melo, interrompeu João Oliveira para dizer que “a paz que a CDU quer é a vitória da Rússia”. “Enviar armas para a Ucrânia é continuar a fazer dos ucranianos carne para canhão”, devolveu-lhe o comunista. Sebastião Bugalho foi interrompendo com muitas críticas à posição do PCP sobre a Ucrânia, com João Oliveira a falar várias vezes em “terrorismo verbal”.

Desta vez, Marta Temido e Tânger Corrêa saíram em defesa de Bugalho, embora com posições ligeiramente diferentes. A socialista disse que a posição do PCP era “indefensável” e que a Europa tinha a obrigação de fazer tudo para “apoiar a Ucrânia” para chegar a uma solução de paz que respeite as posições e os termos de Kiev. O candidato do Chega reconheceu que a prioridade, neste momento, deve ser apoiar a Ucrânia, mas argumentando que, no futuro, será preciso encontrar uma paz negociada que não humilhe ninguém, sob pena de prolongar no tempo conflitos regionais.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos