Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A descoberta de um lago em Marte por uma equipa italiana, anunciada esta semana, vai além do simples sentido literal daquilo que pode ter sido encontrado: uma massa de água líquida, de 20 quilómetros de extensão, por baixo de uma camada de gelo. A presença de água no estado líquido deixa em aberto a possibilidade de existir vida no planeta. Mas, mais do que isso, a presença de água (seja no estado líquido ou sob a forma de gelo) alimenta o sonho de colocarmos humanos no planeta vermelho: virtualmente, teríamos água para beber, oxigénio para respirar e combustível para os foguetões.

“Esta descoberta de água em Marte reforça o trabalho que nos últimos anos tem identificado a água como o primeiro recurso a ser explorado no espaço”, disse Andrew Dempster, diretor do Centro Australiano para a Investigação em Engenharia Espacial na Universidade de Nova Gales do Sul, num comentário à descoberta. “Água no estado líquido ou congelada são recursos chave para serem usados no local, para produzir combustível e fornecer suporte de vida aos astronautas durante as missões espaciais, permitindo reduzir os custos de lançamento e das operações espaciais.”

Encontrado lago de água por baixo de uma camada de gelo em Marte

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.