O Monte das Margaridas, em Montemor-o-Novo, um dos imóveis que o Ministério Público acredita pertencer, na verdade, a José Sócrates, embora tivesse sido adquirido pela sua antiga mulher, foi vendido a Carlos Silva — o empresário amigo de José Sócrates, que é suspeito de ser o seu testa de ferro e de ter mais património em seu nome que pertencerá ao antigo primeiro-ministro.

A venda foi feita em outubro de 2021 numa conservatória em Guimarães, seis meses depois de o juiz de instrução Ivo Rosa ter libertado todos os imóveis arrestados durante a Operação Marquês, incluindo um apartamento em Paris, uma casa na Rua Braancamp e dois apartamentos no Cacém, que foram propriedade da mãe de Sócrates e vendidos a Carlos Silva.

A história da aquisição do Monte das Margaridas valeu a Sofia Fava, antiga mulher do ex-primeiro-ministro, uma acusação pelos crimes de branqueamento e falsificação, que o juiz Ivo Rosa faria cair na sua decisão instrutória lida a 9 de abril de 2021 – e da qual o Ministério Público recorreu. Um recurso prestes a subir para o Tribunal da Relação, depois de esgotado o prazo das respostas das defesas dos arguidos no início de janeiro.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.